PUBLICIDADE

Empresário bolsonarista assume sigla de Roberto Jefferson em SP

Otávio Fakhoury, investigado por ataques ao Supremo, não descarta concorrer nas eleições do ano que vem

30 jul 2021 05h10
ver comentários
Publicidade

Investigado em inquéritos do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre propagação de notícias falsas e financiamento de atos antidemocráticos, o empresário Otávio Fakhoury, apoiador do presidente Jair Bolsonaro, entrou na política partidária e assumiu nesta semana a presidência estadual do PTB. Embora diga que não é um "político profissional", ele não descarta disputar um cargo eletivo no ano que vem.

Segundo Fakhoury, só em São Paulo a executiva nacional petebista, comandada pelo ex-deputado Roberto Jefferson, "derrubou" o comando de mais 300 diretórios municipais petebistas não alinhados com o Planalto.

Empresário do ramo imobiliário, Fakhoury começou sua militância no grupo Vem Pra Rua em meio às manifestações pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016. Ele admite que chegou a ajudar financeiramente alguns grupos, mas nega que tenha patrocinado atos antidemocráticos contra o STF. "Nem conheço a Sara Giromini (uma das pessoas que lideram atos e ataques ao Supremo). Não sou extremo. Não sabia isso dos integralistas. Nem conheço eles", disse o empresário ao Estadão.

Fakhoury assumiu sua nova função com um discurso afinado com o presidente da República: defesa de medicamentos contra covid-19 sem eficácia comprovada, relativização da vacina - que, segundo ele, é "experimental" - armas, voto auditável, "direito à vida" e rejeição radical à esquerda.

No entanto, quando questionado sobre a contradição entre o discurso de Bolsonaro em 2018 contra o Centrão e a chegada do senador Ciro Nogueira (Progressistas-PI), expoente do grupo, à Casa Civil, o empresário desconversa. "O presidente tentou fazer o menor número possível de concessões em 2018, mas não conseguiu. Quem governa sem o Congresso é ditador. Sem um acordo republicano com o centro não dá para governar", afirmou. Ele cobra, no entanto, que Bolsonaro exija contrapartidas, como a aprovação no Congresso do voto impresso.

Sobre a estratégia política para o ano que vem, Fakhoury deixou claro que a prioridade do PTB será fazer uma composição com Bolsonaro, ou mesmo receber o eventual candidato a governador de São Paulo escolhido por ele. Em troca, indicaria um nome para vice-governador ou senador. Ele sondou Abraham Weintraub, Ricardo Sales, Felipe Sabará e Luiz Philippe de Orleans e Bragança para ingressarem na legenda.

Dono da EEPOF Empreendimentos e Participações Imobiliárias, Fakhoury disse que em breve vai anunciar "novidades" sobre seus planos de montar uma rede de comunicação conservadora de direita no Brasil.

Estadão
Publicidade
Publicidade