PUBLICIDADE

Em 'LOV3', três irmãos buscam autoconhecimento por meio do sexo

Na série, a disfunção na família dos 3 irmãos afeta as relações afetivas e sexuais de cada um deles

22 fev 2022 - 05h10
Ver comentários
Publicidade

LOV3 é a história de três irmãos. A mais velha, Ana (Elen Clarice), é sous-chef em um restaurante e, depois de um período separada do marido Artur (Drayson Menezzes), combina de tentar um relacionamento aberto. Sofia (Bella Camero) não consegue parar em emprego nenhum e, sem dinheiro, precisa dividir a casa com um trisal, com quem acaba se envolvendo. Seu irmão gêmeo, Beto (João Oliveira), saiu de casa e só se relaciona com homens heterossexuais que não o assumem. Os seis episódios da série criada por Felipe Braga e Rita Moraes estão disponíveis no Amazon Prime Vídeo.

"No começo, a gente tinha a tentação de explorar a diferença, a parte mais carnavalesca da experiência que sobretudo as pessoas mais jovens estão tendo, um laboratório afetivo e sexual com diferentes modelos, formatos", disse Felipe Braga em entrevista ao Estadão, por videoconferência. "Mas pensamos: o que une essas experiências?"

Com o tempo, ele, a cocriadora Rita Moraes e os roteiristas perceberam que, independentemente das experimentações de relacionamento e sexo, o desafio continua sendo a comunicação. "É difícil alcançar o outro e dizer de forma clara o que é importante para a gente e tentar de forma amorosa entender o que é importante para o outro", completou Braga.

No fundo, apesar de os três irmãos estarem provando novas formas de se relacionar, eles também estão em busca de si mesmos - e uns dos outros. Ana, Beto e Sofia tiveram uma criação complicada, com um pai omisso e uma mãe egoísta. Os três atores tiveram de compreender essa dinâmica familiar para compreender a relação distante entre os irmãos. "Na série a gente não tem tantos momentos de expor essa intimidade, mas a gente não podia deixar de desenvolvê-la, mesmo que ela não estivesse exposta na história", disse João Oliveira. "Eles têm maneiras de se amar e de se tratar muito específicas, e era preciso entender que também residia nessa estranheza a intimidade e a confiança deles entre eles mesmos. Apesar de eles se tratarem estranhamente, esse é o amor deles. Então nos aproximou muito descobrir um tom para como essa família se maltrata e se ama."

Essa disfunção familiar acaba respingando nas relações afetivas e sexuais de cada um. Para Elen Clarice, Ana evita como pode olhar para dentro. "Ela sai em busca de um prazer a suprir suas dores. Suas relações são uma válvula de escape, uma fuga de ter uma conversa madura e clara com um cara superdisponível para o diálogo." Bella Camero apontou como os três tentam solucionar tudo com projeções. "E como diz a mãe deles, é difícil saciar uma vontade se você nem sabe que vontade é essa", disse a atriz. Bella Camero contou estar tentando levar esse ensinamento para a própria vida. "Eu também tenho tentado buscar minhas vontades genuínas em vez de projetar quem eu queria ser e com quem gostaria de me relacionar."

Estadão
Publicidade
Publicidade