PUBLICIDADE

Pesquisa Genial/Quaest: Lula tem 44% das intenções de voto; Bolsonaro, 34%

Levantamento mantém cenário de estabilidade entre os dois principais nomes na disputa ao Palácio do Planalto; confira novos dados

21 set 2022 - 00h16
(atualizado às 07h34)
Compartilhar
Exibir comentários
Lula e Bolsonaro se manteram estável na última rodada de pesquisa
Lula e Bolsonaro se manteram estável na última rodada de pesquisa
Foto: Montagem/Renato Pizzutto/Band/

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera a disputa ao Palácio do Planalto com 44% das intenções de voto ante 34% do seu principal adversário, o presidente Jair Bolsonaro (PL), aponta a nova pesquisa Genial/Quaest, divulgada nesta quarta-feira, 21.

    O ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) aparece com 6% e a senadora Simone Tebet (MDB) tem 5% — mesmo número entre os que dizem não saber responder e quem não irá votar no dia 2 de outubro.

    O cenário indica estabilidade. Tanto Lula como Bolsonaro oscilam dentro da margem de erro nas últimas quatro pesquisas realizadas pelo instituto. O petista oscilou positivamente dois pontos porcentuais em comparação ao levantamento anterior, do dia 14 de setembro, enquanto o chefe do Executivo manteve os mesmos 34%.

    A mesma situação se repete se analisados os votos por região. Os dois oscilaram dentro da margem de erro e tiveram poucas mudanças em todas as regiões do País. Lula não tem vantagem no Sul, onde Bolsonaro tem 45% ante o rival, e na Região Sudeste, onde tanto ele como Bolsonaro têm 38% das intenções de votos, e está tecnicamente empatado no limite da margem de erro (41% a 37% para Lula) com o chefe do Executivo no somatório das regiões Centro-Oeste e Norte. No Nordeste, o ex-presidente mantém ampla vantagem, com 60% da preferência, enquanto Bolsonaro tem 21%.

    O atual presidente oscilou dois pontos para cima entre o eleitorado feminino, um dos mais desejados pela campanha, mas ainda está 14 pontos atrás de Lula, que manteve os mesmos 45% da pesquisa anterior. Bolsonaro mantém ampla vantagem ante o petista entre os evangélicos — outro grupo que recebeu muitos acenos do candidato à reeleição — mas não apresenta avanços significativos em comparação com os últimos cinco levantamentos.

    No dia 3 de agosto, ele tinha 48% dos votos, alcançou o ponto máximo no dia 7 de setembro, com 53%, e agora tem 50%, oscilação de um ponto porcentual em relação à semana passada. Lula oscilou três pontos para cima neste mesmo período. No começo de agosto, ele tinha a preferência de 29% do segmento.

    As últimas pesquisas exibem um viés de crescimento entre quem já decidiu em quem irá votar para presidente. 76% dos brasileiros afirmam já terem selado a escolha — uma oscilação de dois pontos porcentuais para cima. No dia 17 de agosto, apenas 65% manifestaram a certeza.

    Menos da metade dos eleitores de Ciro e Tebet decidiram seu voto. 47% dos entrevistados afirmaram definiram seu voto no pedetista e 44% na emedebista, o que abre espaço para a possibilidade para a campanha de Lula em agregar o voto útil para ganhar a decisão ainda no primeiro turno.

    Entre quem pretende votar em Ciro, 51% diz que podem mudar a decisão. 56% dos apoiadores de Tebet afirmam que podem fazer o mesmo. 66% de todos os entrevistados dizem que não irão mudar o voto para fazer o petista vencer no primeiro turno ante 26% que deseja o contrário. 10% dos entrevistados não sabem ou não responderam.

    A pesquisa Genial/Quaest foi realizada entre os dias 17 e 20 de setembro e entrevistou 2 mil eleitores presencialmente, em 120 municípios. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-04459/2022. A margem de erro do levantamento é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

    Estadão
    Compartilhar
    Publicidade
    Publicidade