1 evento ao vivo

Para Onyx Lorenzoni, colostomia justifica ausência de Bolsonaro em debates

Deputado do Democratas e um dos principais aliados do candidato do PSL reafirma que Bolsonaro não participará de debates no segundo turno devido às suas condições de saúde após ter recebido uma facada

16 out 2018
16h39
  • separator
  • comentários

BRASÍLIA - O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), um dos principais aliados do candidato Jair Bolsonaro (PSL) e cotado para assumir a Casa Civil em eventual vitória, reafirmou que o presidenciável não participará de debates no segundo turno das eleições 2018 com o presidenciável Fernando Haddad, do PT, e atribuiu a decisão às suas condições de saúde do deputado.

Sem meias palavras, Lorenzoni disse que uma pessoa que passa por uma colostomia "peida e fede". Bolsonaro passou pelo procedimento cirúrgico após ter levado uma facada em um evento de campanha em setembro. Nesse caso, o paciente tem o seu intestino grosso exteriorizado e acoplada ao paciente.

"Ele não deve ir. Alguém que está há três anos e meio dizendo suas ideias, suas propostas, caminhando pelo Brasil, indo a lugares que vocês (em referência aos jornalistas) não vão, mas ele foi, conquistou tudo que ele conquistou, ele tem que dizer mais o que?", afirmou Lorenzoni.

Questionado sobre o fato de Bolsonaro ter feito uma visita ao Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar do Rio de Janeiro nesta segunda, 15, o deputado respondeu: "Uma coisa é 20 minutos, outra coisa são duas horas".

Sobre a proposta feita pelo PT para que as regras dos debates fossem adaptadas para que Bolsonaro pudesse participar, o deputado afirmou que a discussão sobre a questão é "desumana" e que os debates televisivos atualmente não "resolvem nada". "Acabou. O jeito normal de se fazer política no Brasil acabou. A saúde deles é prioridade para nós".

Lorenzoni reafirmou também que o candidato não fará um governo de "toma lá, dá cá". "É só não deixar ninguém trocar voto por lugar no governo. Não vamos aparelhar o governo. Isso todo mundo sabe", disse.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade