1 evento ao vivo

General Mourão tentará substituir Bolsonaro em debates

Candidato a vice na chapa do PSL, militar informou que campanha vai tentar desconstruir os discursos críticos a Bolsonaro

11 set 2018
13h53
atualizado às 14h04
  • separator
  • 0
  • comentários

O general Hamilton Mourão, candidato a vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa à presidência, disse na tarde desta terça-feira (11) que a campanha consultará o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para saber sobre a possibilidade de sua participação nos debates na TV, em substituição a Bolsonaro, que ainda se recupera da cirurgia feita em decorrência do atentado sofrido em Juiz de Fora (MG).

General Hamilton Mourão é candidato a vice-presidente na chapa de Bolsonaro
General Hamilton Mourão é candidato a vice-presidente na chapa de Bolsonaro
Foto: Renato S. Cerqueira / Futura Press

Mourão está em Brasília para uma reunião com aliados. "A gente pode solicitar se o Tribunal autoriza. Vai depender da autorização do Tribunal. Porque vamos lembrar da situação do Lula e do Haddad, apesar de serem situações distintas", disse referindo-se à impossibilidade de Haddad, candidato a vice na chapa do ex-presidente Lula, de participar dos debates e entrevistas.

Na entrevista, ainda no aeroporto, Mourão disse que manterá as atividades que estavam previstas, como encontros com empresários e produtores rurais. No fim do dia, ele embarca para o Paraná, onde terá encontros em Cascavel e Londrina. Na semana que vem, estará no interior de São Paulo para reforçar a campanha na base do candidato tucano Geraldo Alckmin.

Mourão ressaltou que não substitui Bolsonaro em atividades de rua. "Esse negócio de eventos de rua, ser carregado pelos ombros, não pertence a mim. Eu não sou o cara de rua. O cara de rua é ele. Ele é o líder de massa", disse. Ele relatou que a equipe de campanha discute as estratégias que serão tomadas na reta final.

Mourão disse "desconfiar" de pesquisas que apontaram grandes índices de rejeição a Bolsonaro. "Eu tenho desconfiança, pois todo lugar que vou converso com pessoas das mais diferentes camadas sociais e não vejo que essa rejeição seja tão grande assim. Não vou dizer que a pesquisa está errada, pois seria uma leviandade. Mas prefiro esperar um pouco mais."

Sobre o tom da campanha, pós-atentado a Bolsonaro, ele disse que é fase de desconstruir os discursos adversários. "Temos de ter um discurso de desconstruir algumas coisas que foram colocadas, como aquela questão das mulheres e da violência. Colocaram que ele (Bolsonaro) não respeita as mulheres. É preciso desconstruir isso", disse.

Veja também

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade