0

Candidatos ao governo de SP defendem "padrinhos" em debate

Eleição presidencial permeia encontro com postulantes ao Palácio dos Bandeirantes nas eleições 2018

16 set 2018
20h53
atualizado às 21h00
  • separator
  • comentários

Em debate promovido pelo "Estado", "TV Gazeta", "Jovem Pan" e "Twitter", os candidatos ao governo de São Paulo nas eleições 2018 saíram em defesa de seus padrinhos políticos ou dos candidatos à Presidência de seus partidos durante encontro realizado neste domingo (16).

João Doria (PSDB) e Luiz Marinho (PT) durante debate da TV Gazeta neste domingo (16)
João Doria (PSDB) e Luiz Marinho (PT) durante debate da TV Gazeta neste domingo (16)
Foto: ALOISIO MAURICIO / Estadão

João Doria (PSDB) defendeu o legado tucano em São Paulo de Geraldo Alckmin, candidato do partido à Presidência. Luiz Marinho, ao citar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cuja candidatura foi indeferida pelo TSE, disse que o candidato do PT ao Planalto, Fernando Haddad, vai para o "segundo turno".

Marcelo Cândido, do PDT, afirmou que o "debate PT/PSDB não criou soluções para o Estado", repetindo discurso do presidenciável de seu partido, Ciro Gomes.

Marcelo Tavares, do PRTB, disse que o candidato do PSL Jair Bolsonaro representa "a renovação" no Brasil - em São Paulo, o PSL apoia o PRTB, partido do vice de Bolsonaro, o general Hamilton Mourão.

Já Paulo Skaf, do MDB, afirmou que não tem "padrinho político" e foi questionado por Doria, seu principal concorrente na disputa, por que ele "esconde" o presidente Michel Temer de suas falas e programas eleitorais.

"Temer é seu padrinho e não sei por que esconder. É presidente de honra de seu partido. Alckmin é presidente do partido e é meu candidato. Não sei por que você esconde que é o candidato de Temer", disse o ex-prefeito de São Paulo.

"Eu nunca tive padrinhos na política", rebateu Skaf. "Entrei para servir. Não para ser servido. Isso não dá certo no Brasil. Sou candidato e se eu for eleito, quero mudar São Paulo", disse Skaf.

O governador Márcio França, do PSB, procurou travar um embate com Doria - o PSB não tem candidato à Presidência e, após acordo com o PT, optou pela neutralidade na esfera nacional. "Doria acelera, acelera, mas se não engatar, o carro não anda. Quanto São Paulo deve de precatórios? É importante responder. Tem que saber a dívida de São Paulo. Fale o número", disse França.

Veja também

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade