0

Aécio lamenta que Dilma menospreze escândalo de corrupção

O candidato do PSDB disse considerar "estarrecedor" o conteúdo das acusações que revela crimes cometidos na Petrobras

10 out 2014
19h53
atualizado às 21h28
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Aécio disse que é "estarrecedor" a presidente se indignar com a divulgação do escândalo e não com o conteúdo das denúncias</p>
Aécio disse que é "estarrecedor" a presidente se indignar com a divulgação do escândalo e não com o conteúdo das denúncias
Foto: Marcos Fernandes / Coligação Muda Brasil

Aécio Neves (PSDB) lamentou nesta sexta-feira o que chamou de menosprezo da presidente Dilma Rousseff (PT), sua adversária no segundo turno das eleições presidenciais em 26 de outubro, ao escândalo de corrupção na Petrobras que atingiu o governo em plena campanha eleitoral.

O candidato tucano deu entrevista coletiva no Rio de Janeiro nesta sexta-feira, onde criticou declarações feitas por Dilma, que classificou de estarrecedor o vazamento do depoimento de Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef em meio a campanha eleitoral.

A presidente afirmou que considera "incorreto divulgar parcialmente o conteúdo dos depoimentos em plena campanha.

Costa diz que 2% dos contratos da Petrobras iam para o PT

Aécio, por sua vez, disse que "estarrecedor" é a presidente se indignar com a divulgação do escândalo e não com o conteúdo das denúncias.

"Nesta sexta-feira ficou muito clara a diferença de posição entre a candidata e a presidente, que se diz estarrecida com a divulgação do escândalo. Considero estarrecedor o conteúdo das acusações", afirmou o candidato tucano.

Ele afirmou que "assaltaram a maior empresa brasileira nas barbas do governo sem que ninguém no (próprio) governo reaja. Estamos indignados com o que aconteceu e não vemos uma reação nem de indignação da presidente".

Vários meios de comunicação divulgaram na quinta-feira parte do depoimento de Paulo Roberto e Youssef, que fizeram um acordo de delação premiada para revelar os mecanismos de corrupção dentro da Petrobras, que incluía o pagamento de propina para partidos e líderes políticos.

Segundo a declaração, 3% do orçamento dos contratos da Petrobras era desviado para partidos públicos. Os dois citaram nominalmente o PT, o PP e o PMDB.

Dilma, em uma tentativa de minimizar o escândalo, disse que em todas as campanhas eleitorais surgem denúncias de corrupção "que depois não se confirmam" e questionou o vazamento à imprensa de "parte dos testemunhos", exatamente os que citam pessoas do alto escalão do PT.

No primeiro turno das eleições presidenciais, Dilma teve 41,59% dos votos e Aécio 33,55%. As primeiras pesquisas de intenção de voto, divulgadas na última quinta-feira, mostraram um empate técnico entre os dois, com 2% de vantagem para o senador tucano.

Veja o cenário eleitoral nos estados Veja o cenário eleitoral nos estados

EFE   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade