SP: Volta às aulas presenciais tem clima de 'fase de testes'

Ansiedade tomou conta de pais e alunos na Escola Municipal de Educação Infantil São Paulo, na Vila Clementino

15 fev 2021
11h17
atualizado às 11h27
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

SÃO PAULO - Com o "coração apertado" e preparados para uma "fase de testes", milhares de pais enviaram seus filhos para 3,5 mil escolas da rede municipal de São Paulo, 92% do total, na retomada das atividades presenciais nesta segunda-feira, 15. O retorno será gradual e facultativo. As escolas só poderão receber 35% dos estudantes, com rodízio entre os alunos e a manutenção do ensino remoto para os que não estiverem na escola.

A cidade de São Paulo deu início às aulas presenciais do ensino municipal na manhã desta segunda-feira, 15 de fevereiro.
A cidade de São Paulo deu início às aulas presenciais do ensino municipal na manhã desta segunda-feira, 15 de fevereiro.
Foto: DEIVIDI CORREA / Estadão

As escolas da cidade haviam suspendido as aulas presenciais em 23 de março de 2020 por conta da pandemia da covid-19. Desde lá, as instituições só puderam receber alunos para atividades extracurriculares.

O secretário municipal de Educação Fernando Padula afirma que o momento ainda é de incerteza, mas acredita que as escolas vão preencher o número permitido de 35%. Pesquisa no portal da secretaria municipal com 591 mil famílias aponta que 66% dos pais são favoráveis ao retorno.

Aqueles que preferirem não frequentar o ambiente escolar devem fazer as atividades na plataforma Google Sala de Aula ou em outros meios disponíveis. "Nós ainda vivemos um momento de incerteza. Talvez alguns pais ainda aguardem um pouco para mandar os alunos, mas temos o porcentual de 66% que são favoráveis ao retorno", diz o secretário.

Em caso de alcance do número máximo de interessados por turno, terão prioridade as crianças com maior idade, irmãos matriculados na mesma unidade e crianças em situação de vulnerabilidade. Na educação infantil, não haverá revezamento. Essa organização ficará a critério de cada unidade.

De acordo com a Prefeitura, 530 escolas devem retomar as atividades presenciais entre os dias 22 de fevereiro e 1º de março por falta de serviços de limpeza. Outras 50 escolas passam por reformas para receber os alunos durante a pandemia. Essas 580 ainda não retomaram as aulas presenciais nesta segunda.

'Uma mão lava a outra'

O Estadão acompanhou o primeiro dia de aula presencial na Escola Municipal de Educação Infantil São Paulo, na Vila Clementino, zona sul da cidade. Dos 147 alunos matriculados, apenas 53 podem assistir às aulas nas salas. Na entrada das crianças, os pais não puderam acompanhá-los, como de costume, por causa dos protocolos de segurança. Mas não teve o choro habitual dos primeiros dias. O engenheiro civil Alecsandro Oliveira, de 43 anos, disse que ele e o filho, Alecsandro, de 4 anos, estavam ansiosos pelo retorno.

Para acolher os alunos, a escola instalou um equipamento de som na entrada. A música não poderia ser mais apropriada: "uma mão lava a outra". Assim que chegaram, os alunos foram aos lavatórios, acompanhados pelos professores. Os bancos de pedra na entrada ganharam círculos azuis, que marcaram onde cada um deveria se sentar para manter o distanciamento. Na sala de aula, as carteiras que antes recebiam quatro alunos agora só tinham um. Janelas e portas abertas. Na hora do intervalo, o desafio da professora era manter o distanciamento. Cada aluno abria o braço para medir a distância do coleguinha.

O primeiro dia está sendo apenas de testes para o enfermeiro Jeferson Rodrigues dos Santos, pai do Felipe, de 5 anos. "Vamos observar esses primeiros dias", afirmou o profissional de saúde que trabalha na linha de frente contra o coronavírus. Para Laura Rais, que está desempregada, o desafio vai ser manter a filha, Giovana Rais, de 6 anos, com a máscara no lugar certo. "Ela queria vir de todo jeito, mas acho que vai ser difícil", diz a mãe.

Em greve

Parte dos professores da rede está em greve desde a semana passada e pede que as aulas continuem a distância. A categoria alega que não há estrutura suficiente para receber os estudantes presencialmente.

As cinco entidades de representação dos professores da rede municipal - Sindicato dos Professores e Funcionários Municipais de São Paulo (Aprofem); Sindicato dos Educadores da Infância (Sedin); Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep); Sindicato dos Especialistas de Educação do Ensino Público Municipal de São Paulo; e Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (Sinpeem) - anunciaram a paralisação no último dia 10.

Os educadores pedem, entre outras coisas, que seu trabalho continue remoto e que haja vacinação para todos os profissionais de educação. Também reivindicam testagem em massa, equipamento de proteção individual "de qualidade" e suporte social às famílias dos estudantes.

Veja também:

Os heróis que mantiveram a educação caminhando em 2020
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade