PUBLICIDADE

Projeto recria capas de livros escritos por autoras silenciadas

São obras de escritoras que tiveram que escrever sob pseudônimos ou anonimato para serem publicadas, como 'Frankenstein', 'Úrsula' e 'O Sol é Para Todos'

4 set 2023 - 17h41
(atualizado às 18h14)
Compartilhar
Exibir comentários

Ganhar um prêmio na sua área é um feito e tanto. Agora, imagina realizar essa conquista ainda como estudante! Esse foi um dos feitos da Julia Ruivo, bacharel do curso de Design Gráfico e - para nossa sorte - estagiária de arte do GUIA DO ESTUDANTE.

Foto: Divulgação/Arquivo pessoal / Guia do Estudante

+ Quais são as áreas de atuação do Designer Gráfico?

Julia e mais seis colegas de faculdade criaram o projeto acadêmico " Mulheres à Margem" e, com ele, receberam o Latin American Design Awards (LADA) na categoria Editorial Estudantil. O prêmio foi concedido em agosto de 2023 na cidade de Lima, no Peru. Os idealizadores foram, além da própria Julia Ruivo, as estudantes Andressa Carreira, Izamara Marinho, Thais e Leticia Yukari, Melissa Omai e Eugênio Araraki.

Os estudantes responsáveis pela idealização do projeto no LADA Awards.
Os estudantes responsáveis pela idealização do projeto no LADA Awards.
Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução / Guia do Estudante

O Mulheres à Margem resgata livros escritos por mulheres que se esconderam por trás de pseudônimos (na grande maioria da vezes masculinos) ou do anonimato, para levarem suas criações ao público. "A ideia é resgatar e dar destaque para a identidade dessas autoras, que não puderam assinar as suas obras com seu próprio nome", explica a estudante.

As obras escolhidas foram Frankenstein, de Mary Shelley; Úrsula, de Maria Firmina dos Reis; O Sol é Para Todos, de Nelle Harper Lee; O Sol Brilha Sobre o Rio Sangkan, de Ding Ling; As Raízes de Um Baobá, de Mariètou Mbaye Biléoma e Cerâmica Esmaltada, de Doris Boake Kerr.

-
-
Foto: Divulgação/Arquivo pessoal / Guia do Estudante

Julia ainda conta que o maior desafio foi revelar de uma maneira gráfica e visual todas as seis autoras escolhidas para o Mulheres à Margem, e mostrar como elas foram marginalizadas ao longo da vida. Para isso,  o projeto utilizou o design das capas, das aberturas de capítulos, das ilustraçõs internas e da luva externa para passar essa mensagem.

+ Conheça 8 tipos de cursos de Design que existem

As luvas são aquelas capinhas coloridas que "embalam" o livro e que não apenas ajudam a proteger o objeto, como também podem trazer informações da obra. No caso do Mulheres à Margem, cada um dos livros vem com uma luva de cor diferente, que acompanha a cor da edição. Aqui, a luva - feita de um material translúcido - foi pensada como um item que esconde algumas informações da obra: o nome da autora e seu rosto, por exemplo. O que fica à mostra na capa é o pseudônimo utilizado pelas autoras, assim como na vida real. Assim, quando o leitor retira a luva para começar a leitura, a identidade real da escritora é revelada . As duas imagens abaixo mostram como funciona a luva no projeto gráfico.

Livro da coleção com a luva.
Livro da coleção com a luva.
Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação / Guia do Estudante
Livro sem a luva; é possível ver os elementos que, com a luva, ficam escondidos.
Livro sem a luva; é possível ver os elementos que, com a luva, ficam escondidos.
Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação / Guia do Estudante

+ Quem é Maria Firmina dos Reis, autora de "Úrsula"

A equipe também pensou nos desenhos que integram o início de cada capítulo: " Cada capítulo tem uma ilustração e conforme os capítulos vão passando ele vai se transformando. Começando com a ilustração presente na capa, depois no meio do livro ela se torna uma ilustração referente a narrativa [...], no fim ela se transforma no nome da autora simbolizando que ela finalmente assinou sua obra".

Luva da obra 'Frankenstein', de Mary Shelley, primeiro livro a compor o Mulheres à Margem. Ao retirar a luva, é possível ler o nome da autora, junto de outros elementos que caracterizam a obra. Na contra-capa, é possível ver uma imagem de Mary Shelley.
Luva da obra 'Frankenstein', de Mary Shelley, primeiro livro a compor o Mulheres à Margem. Ao retirar a luva, é possível ler o nome da autora, junto de outros elementos que caracterizam a obra. Na contra-capa, é possível ver uma imagem de Mary Shelley.
Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação / Guia do Estudante

+ Dúvidas sobre cursos? Conheça nossa área de Orientação Profissional

Todos os detalhes do Mulheres à Margem podem ser conferidos no Behance do projeto.

Guia do Estudante
Compartilhar
Publicidade
Publicidade