"Não falarei mal de Weintraub, senão ele não cai", diz Maia

Em fevereiro, o deputado fez ataques diretos ao ministro do Educação ao acusá-lo de "brincar" com o futuro das crianças

9 mar 2020
18h25
atualizado às 18h49
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), evitou fazer comentários sobre o ministro da Educação, Abraham Weintraub, durante um evento sobre educação nesta segunda-feira (9) em Brasília e deixou claro o motivo. "Ao aceitar o convite (para o evento), prometi não falar mal do ministro da Educação, senão ele não cai", disse Maia, provocando risos na plateia.

"Não falarei mal de Weintraub, senão ele não cai", diz Maia
"Não falarei mal de Weintraub, senão ele não cai", diz Maia
Foto: FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL / Estadão Conteúdo

Maia e Weintraub já protagonizaram embates públicos. Em fevereiro, o deputado fez ataques diretos a Weintraub ao acusá-lo de "brincar" com o futuro das crianças. "Fiz apenas uma crítica (a Weintraub), pois fui perguntado. Minha opinião pessoal não interfere na minha relação com o governo", minimizou Maia na época.

No evento, Maia participou do evento para falar sobre pautas relacionadas à educação na Câmara, principalmente o Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) que deve ser votado nos próximos dias.

O relatório da deputada Dorinha Seabra (DEM-TO) estabelece um crescimento escalonado nos aportes da União, hoje de 10% da participação dos estados e municípios. Em 2021, seriam 15%. Em seguida, o índice seria acrescido de 1% ao ano, até alcançar os 20% em 2026. O governo deve enviar sugestões para alterar o texto, mas o presidente da comissão, deputado Bacelar (Pode-BA), considera que os parlamentares estariam dispostos a, no máximo, estender o prazo.

Maia disse ainda durante o evento ter certeza de que, com maior ou menor participação do governo nas negociações, a comissão especial formulará um "ótimo texto" sobre a questão do Fundeb. Segundo ele, a discussão precisa ter um desfecho até abril para dar tempo de o Senado debater o tema até o fim do ano.

Veja também:

Governo vai liberar entrada de cruzeiros marítimos e "naufrágio artificial" em Fernando de Noronha

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade