Fies: exigência de nota mínima de 400 pontos na redação do Enem é adiada para 2022

A princípio, a exigência seria implementada em 2021; Com o adiamento pelo governo, mantém a regra de não zerar a redação do Enem para participar do Fies no ano que vem

13 out 2020
17h18
atualizado às 18h02
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O governo adiou para 2022 a exigência que participantes do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) tenham nota igual ou superior a 400 pontos na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Anteriormente, a exigência passaria a valer já em 2021. A decisão foi publicada nesta terça-feira, 13, no Diário Oficial da União e altera a resolução nº 34 de dezembro de 2019.

Para o próximo ano, portanto, as regras do Fies não mudam. Para se inscrever no programa, os candidatos não podem zerar na prova de redação do Enem e precisam alcançar uma média aritmética das provas do exame (Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza e Ciências Humanas) igual ou superior a 450 pontos.

Já em 2022, será exigido que a nota da redação seja de no mínimo 400 pontos e a média aritmética das provas igual ou superior a 450 pontos. O critério econômico para participar do programa não foi modificado. Sendo assim, além das regras mencionadas, o candidato deve ter renda familiar mensal bruta, por pessoa, de até 3 salários mínimos.

O Fies é um programa do governo federal que concede financiamento para estudantes cursarem o ensino superior em universidades privadas.

Como ficam as regras para participar do Fies?

Notas do Enem exigidas no Fies em 2020 e 2021:

  • Nota superior a zero na redação;
  • Média aritmética das provas (Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza e Ciências Humanas) igual ou superior a 450 pontos.

Notas do Enem exigidas a partir de 2022:

  • Nota igual ou superior a 400 pontos na redação;
  • Média aritmética das provas igual ou superior a 450 pontos.

Além dessas regras, é necessário que o candidato tenha renda familiar per capita de 1 a 3 salários mínimos.

Veja também:

Investigação da BBC revela tortura e abusos em escolas islâmicas no Sudão
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade