Enem 2020: Inep diz que nova data do exame deve ser divulgada em até 3 semanas

Em enquete, 50% de participantes afirmaram preferir prova em maio de 2021; exame foi adiado em maio por causa de pandemia da covid-19

1 jul 2020
12h05
atualizado às 19h05
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

SÃO PAULO - O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e o Ministério da Educação (MEC) anunciaram nesta quarta-feira, 1º, que cerca de 50% dos estudantes inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que participaram de uma enquete para definir a nova data do exame preferem que a prova seja realizada em maio do ano que vem, mas informaram que a data definitiva da prova deve ser divulgada em até três semanas. O exame foi adiado em maio deste ano por causa da pandemia do novo coronavírus, a covid-19.

Dos 5,8 milhões de inscritos, mais de 1,1 milhão participou da votação e 49,7% optaram pelo mês de maio. Com esse dado, reuniões com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e representantes de instituições de ensino superior serão realizadas para definir a nova data do exame.

"Minha expectativa é de que, em duas a três semanas, a gente consiga ter a data definitiva do Enem. A data sairá desse processo de discussão coletiva", afirma Alexandre Lopes, presidente do Inep.

Na enquete, os estudantes inscritos tinham três opções de data para a realização das provas nas modalidades presencial e digital, que será realizada pela primeira vez nesta edição. Duas das datas propostas eram em 2021 e isso deve ser levado em consideração durante as reuniões para definição da data.

"80% dos estudantes que participaram da enquete pediram para fazer a prova em 2021. Eles tinham duas opções: janeiro e maio. Com base nessa opção, vamos conversar, mas a data pode ser diferente da data da enquete", pondera Lopes.

Secretário-executivo do MEC, Antonio Paulo Vogel explica que, apesar do resultado, a escolha pelo mês de maio pode afetar o calendário das instituições de ensino superior.

"Sobre a escolha, de fato, tem a dificuldade, (porque) vai prejudicar o primeiro semestre do ano que vem. Não vai ter a nota para entrada no primeiro semestre. É uma variável que será levada em consideração."

Questionado sobre possíveis dificuldades para organização das atividades da pasta diante da falta de um ministro da Educação, Vogel afirmou que as ações não estão sendo afetadas.

"Para a gente, neste momento, não faz diferença porque os trabalhos e projetos estão andando normalmente."

Nesta terça-feira, 30, Carlos Alberto Decotelli, nomeado ministro da Educação na semana passada, apresentou sua carta de demissão após seu currículo ser questionado por universidades estrangeiras e pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Enade é adiado

Na ocasião, foi divulgado também que o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), realizado pelos concluintes dos cursos de graduação, não ocorrerá neste ano.

"A prova só será aplicada em 2021. Temos um problema de conclusão dos cronograma das instituições. Vamos avisar a data. Precisamos saber como será a retomada das aulas no ensino superior", diz Lopes. O Enade seria em novembro.

Adiamento do Enem

Em maio, o Inep e o MEC anunciaram o adiamento do exame, que estava marcado para os dias 1º e 8 de novembro na versão presencial e 22 e 29 de novembro na modalidade digital. No mesmo mês, a pasta anunciou a ampliação do prazo para inscrições por cinco dias.

Veja também:

As novas armas de Trump para reverter baixa popularidade às vésperas da eleição
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade