Em crise financeira, UFBA reduz uso de ar-condicionado, telefone e elevador

Situação é decorrência do bloqueio de verbas feito pelo governo federal; valor retido equivale a quatro meses de funcionamento da instituição

28 set 2019
05h11
  • separator
  • 0
  • comentários

SALVADOR - A Universidade Federal da Bahia (UFBA) determinou nesta semana novas medidas de redução de custo operacional, na tentativa de manter os câmpus em funcionamento. A situação está relacionada ao bloqueio de verbas feito pelo governo federal. Hoje, cerca de R$ 53 milhões estão retidos, valor equivalente a quatro meses de funcionamento da instituição. As medidas de ajuste para conter gastos têm sido frequente em várias universidades.

Ao Estado, o vice-reitor da UFBA, Paulo Miguez, vê prejuízos à comunidade acadêmica. "Medidas já vêm sendo tomadas há algum tempo, essa portaria não é a primeira. Estamos fazendo o que é possível, porque não sabemos se iremos receber ou quando iremos receber", pontua. "Tivemos de suspender, por exemplo, o apoio a viagens, fundamentais para a universidade. Nesse momento, o único recurso que temos é para viagens institucionais, porque é obrigatório, ou para professores que compõem bancas de concurso".

Universidade Federal da Bahia
Universidade Federal da Bahia
Foto: UFBA/DIVULGAÇÃO / Estadão

Publicada na última quarta-feira, 25, a portaria determina suspensão de concessões de passagens e diárias para participação em eventos, seminários e congressos; redução do uso de elevadores, a não ser para garantir mobilidade de pessoas com deficiências; desligamento de aparelhos de ar-condicionado, exceto em espaços sem ventilação natural e em laboratórios, museus e bibliotecas; suspensão de ligações de telefone fixo para móvel e restrição de ligações interurbanas e internacionais; entre outras medidas.

Uma das unidades em alerta é o Instituto de Biologia. Segundo a professora Moema Bellintani, há temor sobre as restrições de uso de energia elétrica. "Ainda dá para fazer essa adequação, mas nosso receio é que chegue um momento em que seja necessário desligar tudo. Temos experimentos de anos que vão se perder se ficarmos sem energia", diz. "Tivemos também cortes de verbas para aulas de campo, muito importantes no curso de Biologia. Temos de fazer levantamento de fauna e flora, ensinar os alunos a se comportarem no campo. Estamos procurando alternativas, em lugares próximos a Salvador, mas não é a mesma coisa de uma região com mata fechada".

Programa do governo federal mira verba privada

O governo federal tem justificado o bloqueio de verba com a crise financeira do País e a dificuldade de arrecadação. O Ministério da Educação tem afirmado que vai liberar recursos se houver folga orçamentária. Uma das principais apostas da pasta para as federais é o programa Future-se, que prevê alavancar a captação de verbas privadas para as instituições. O Estado mostrou esta semana, porém, que a maioria das universidades rejeita a ação.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade