PUBLICIDADE

Inglês para trabalho: empresas cobram, mas o quanto é necessário?

Empresas buscam idioma em candidatos, mas nem toda vaga precisa de inglês como pedido; plataforma usa inteligência artificial para medir peso nas seleções

19 jun 2021 14h10
ver comentários
Publicidade

Jackie Oliveira estuda inglês há muitos anos. Já cursou escolas de idiomas, tomou aulas com professor particular e fez intercâmbio. Além disso, é gerente de engenharia de software, então trabalha em contato com a linguagem da tecnologia toda em inglês. Ainda assim, essa experiência não a livrou da surpresa que o trabalho na Loggi lhe trouxe.

O período de imersão na cultura da empresa, para a qual entrou há dois meses, foi uma prévia do que ela viveria todos os dias, porque ali já conheceu colegas estrangeiros e participou de reuniões em inglês. A surpresa se deu porque o processo seletivo não cobrou o conhecimento, embora constasse do currículo de Jackie. Assim, ela percebeu sozinha que era o momento de "ligar no ouvido o chipzinho para entender inglês", brinca.

Apesar de a funcionária usar mais o idioma do que o que foi cobrado para entrar na empresa, o mercado de trabalho também sofre o inverso: cobra-se fluência em inglês ainda que o candidato não vá usá-lo no seu dia a dia. Em 2021, a plataforma de recrutamento e seleção Gupy observou aumento de 36% na frequência do requisito nos anúncios de vagas em comparação ao mesmo período do ano passado.

O debate é ainda mais frequente em vagas de empresas que trabalham com programação e tecnologia da informação (TI) e, nos últimos anos, também por conta da expansão internacional de startups brasileiras e da chegada de multinacionais no País, como Netflix, LinkedIn e Spotify. Segundo a Associação Brasileira de Startups, hoje há 13,5 mil empresas do tipo no Brasil, resultado de um crescimento de cerca de 100% ao ano desde 2011.

Para equilibrar a conta, consultorias de RH têm pedido aos gestores mais informações sobre a rotina de trabalho que aguarda o candidato e usado até inteligência artificial para entender melhor a necessidade de cada cliente. "Muitas empresas apontam o inglês como um pré-requisito, mas, por não ser tão relevante no dia a dia, essa habilidade acaba não sendo determinante na contratação", afirma o CMO (Chief Marketing Officer) e cofundador da Gupy, Guilherme Dias.

A plataforma usa inteligência artificial para entender quais características profissionais são levadas em conta pelos contratantes. Dessa forma, consegue atribuir pesos diferentes para os itens de perfil e currículo. A exigência do inglês está presente em 20% das vagas de emprego publicadas na Gupy atualmente, enquanto 31% dos currículos cadastrados possuem a habilidade.

O peso dado aos idiomas, em média, é de 3%. "Esse peso varia segundo o perfil da empresa e também com o escopo da vaga, já que uma companhia global tende a ter um segundo idioma como pré-requisito, mas apenas para vagas de níveis e departamentos que realmente precisarão interagir com pessoas de outros países, por exemplo", explica Dias.

É o caso de Jackie na startup de logística. Ela usa o idioma para escrever a documentação de projetos, aprender novas ferramentas e fazer apresentações. A gerente de engenharia ainda lida com a língua no desenvolvimento de códigos — inclusive os verbos. "A Loggi percebeu que o inglês faz parte da comunidade tech", diz ela.

Qual o nível de inglês para a vaga

Em reunião com clientes, a consultoria RH Share costuma perguntar o que a empresa considera como inglês avançado: desenrolar uma conversa fluida, fazer uma leitura técnica ou entender uma reunião e interagir minimamente?

"Em escolas, você tem níveis bem claros do que se considera avançado, fluente, intermediário. Mas no mundo corporativo essa linha nem sempre é clara", explica Douglas Rufino, head de recrutamento e seleção da consultoria.

Para vagas que requerem entrevistas em língua inglesa, além da avaliação objetiva, o consultor observa o quão confortável no idioma o candidato parece estar. Rufino conta que há casos em que se pode sugerir à empresa trabalhar alguma limitação que o candidato apresenta. "É importante o entendimento do nível que o cliente precisa para a gente não perder perfis bons", diz ele.

  • Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

No caso da startup do setor imobiliário QuintoAndar, quando é solicitada a língua inglesa para uma vaga, a empresa costuma especificar o uso que o conhecimento poderá ter no trabalho. Para o cargo de performance marketing coordinator, por exemplo, foi explicado no anúncio que o colaborador "poderá participar de reuniões em inglês com parceiros ou fornecedores".

"Essa é uma característica muito forte do QuintoAndar. A gente tem uma preocupação grande de ser transparente com o que a gente precisa, quando a gente precisa, de que jeito a gente precisa", diz Aline Esteves, diretora de people da startup.

Aprendizado contínuo com idiomas

Segundo Jackie, quem não fala inglês tem espaço na Loggi, mas o ambiente motiva a desenvolver a língua. Na "daily", por exemplo, a gerente conversa em português por não ter estrangeiros na equipe, mas durante a "sync", reunião em que apresentam projetos, usa o segundo idioma quem se sentir confortável.

"Quando você vira para o lado e vê que o amigo talvez fale o inglês com um pouco de sotaque, gaguejando, mas tem termos técnicos (e todo mundo se entende em termos técnicos), isso dá uma liberdade muito grande", afirma ela. A Loggi oferece aos colaboradores um incentivo educacional que pode ser usado para fazer cursos de idioma.

O fundador da escola Wise Up, Flávio Augusto da Silva, compara a decisão de um adulto de voltar a estudar inglês a tomar uma injeção de Benzetacil: "É dolorido, mas resolve o problema dele". Para o empresário, o aluno mais velho não encara o idioma como prazer, mas como um investimento profissional.

Especializada em inglês para adultos, a instituição tem como método não infantilizá-los. Em vez disso, traz para as aulas temas de interesse como liderança, oratória e gestão emocional. Os alunos da escola, em geral, estão empregados.

Criador do projeto de desenvolvimento pessoal Geração de Valor, Flávio Augusto diz que qualquer pessoa pode aprender a língua sozinha, sem a necessidade de escolas. "Mas a curadoria desse assunto, as ferramentas necessárias, a especialização e a produção exclusiva que nós temos ajuda o aluno a atingir isso mais rápido", destaca o empresário.

Estadão
Publicidade
Publicidade