0

CheckStore: empresa catarinense de Full E-Commerce aposta no mercado fashion

1 set 2017
14h35
  • separator
  • comentários

Vendas. Esse é o principal objetivo quando se trabalha com varejo. E em um mercado cada vez mais competitivo, cada detalhe é fundamental para o sucesso dos negócios, especialmente quando se trabalha com lojas virtuais, os e-commerces. Com tantas ofertas pingando a cada segundo nas telas de smartphones, tablets e computadores, fica cada vez mais fácil o acesso a uma gama diversificada de produtos, mas ao mesmo tempo a competitividade torna as vendas mais difíceis, uma vez que o usuário/cliente têm muitas opções de escolha.

Pensando nisso, os sócios Érico Scorpioni e Maginot Jr decidiram apostar em um mercado até então inexplorado em Santa Catarina: terceirizar o departamento de e-commerce das empresas. Nascia, em 2015, a Check Store, a primeira empresa catarinense de Full E-Commerce. "O Full E-commerce é a terceirização completa do e-commerce de uma empresa. Contempla toda a operação, atendimento ao consumidor e dia a dia do negócio on-line. Tradicionalmente, as empresas de Full E-commerce oferecem a plataforma de comércio eletrônico, mas também uma infraestrutura de alta escalabilidade, galpão logístico próprio e uma equipe especializada", explica Érico Scorpioni.

Abordando desde a gestão de marketing, relacionamento com usuários, estoque, logística e tecnologia de informação, o Full E-commerce possibilita ao varejista a oportunidade de manter sua atenção voltada apenas para o core business ao passo que uma equipe altamente capacitada e treinada estará por trás da operação.

Mas para quê tipos e portes de empresa o Full E-Commerce é funcional? Segundo Maginot Jr, a demanda de trabalho da Check Store se encaixa perfeitamente para diversos tipos de negócios: "Nosso serviço é perfeito para uma empresa que já vende online, mas quer melhorar a gestão e ganhar performance da sua loja virtual, mas também para uma marca estabelecida que pensa grande e quer começar no e-commerce de maneira profissional. Além disso, existem o modelo de empresa que ainda não vende online, mas quer entrar no e-commerce com agilidade e baixo custo", avalia. O fato é: um e-commerce gera custos. Desde a criação da loja, gestão da loja, armazenamento dos produtos, embalagem, expedição, emissão fiscal, sistemas de marketing e investimentos em mídia online. Muitos desses custos ficam ocultos aos olhos do empresário, mas eles existem e com o Full E-commerce as empresas podem terceirizar a operação a um custo baixo e ganhar muito em produtividade e performance", acrescenta.

Com uma demanda crescente não demorou muito para a Check Store se posicionar como referência no mercado. Desde o início os sócios já sabiam que era preciso definir um target específico, especializando-se no atendimento ao mercado de moda. "Somos uma empresa de Full E-commerce especializada no mercado fashion, com infraestrutura e departamentos para operar lojas virtuais de moda. Nosso galpão logístico é formatado para vestuário e acessórios. Nossa equipe é formada por profissionais que já atuaram dentro de grandes marcas e nosso conhecimento nessa indústria e suas nuances colabora muito para o sucesso das empresas desse setor", explica Érico. Atualmente, a Check Store conta com um pool forte de clientes com marcas como Labellamafia, Bad Boy, Liverpool, Made In Guarda, Inspireland, Mariana Pelegrini, Joilik e Comfy.

Por ser um serviço muito recente no país, algumas empresas ainda não se deram conta de sua importância, sem saber que o Full E-Commerce, além de trazer conforto na operação de venda on-line, proporciona uma economia enorme para os varejistas.

"O Full E-commerce ainda é muito recente no Brasil. Existem muitas empresas gerindo o catálogo, promoções e anúncios de lojas virtuais, mas como tratam apenas de uma área da operação de e-commerce, acabam por esquecer atividades cruciais para o sucesso de uma loja virtual, como a logística e o atendimento, especialmente para trocas ou devoluções. Ao contratar nosso serviço de Full E-commerce a empresas poderão economizar até 60% do custo de operação se fosse internalizado. Além da economia graças ao compartilhamento de recursos, o modelo de cobrança tende a ser por comissão de vendas, o que gera mais previsibilidade de custos, sem surpresas ou contas extras no fim do mês", finaliza Érico Scorpioni.

Foto: DINO


Website: http://www.checkstore.com.br/
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade