4 eventos ao vivo

"Só pesquisei', diz autor que 'previu' coronavírus

Romance de 1981 de Dean Koontz viralizou na internet por falar de vírus surgido em Wuhan, mas escritor minimiza coincidências com pandemia

19 jun 2020
05h12
atualizado às 07h40
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Assim que a covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, começou a se alastrar pelo mundo, no começo do ano, um dos boatos mais curiosos que tomaram as redes sociais e os aplicativos de mensagem instantânea sobre a origem da pandemia falava a respeito de um suposto livro que teria previsto o surgimento do vírus em Wuhan, na China, no século 21, como sendo fruto de um laboratório.

Moradores fazem fila para serem testados em Wuhan
15/05/2020
REUTERS/Aly Song
Moradores fazem fila para serem testados em Wuhan 15/05/2020 REUTERS/Aly Song
Foto: Reuters

Os Olhos da Escuridão, de Dean Koontz, publicado em 1981, é um thriller sobre o desaparecimento de uma criança e a busca empreendida por sua mãe, guiada por mensagens paranormais. E, sim, o romance também fala sobre um vírus surgido em Wuhan, embora esse não seja o tema principal do enredo literário.

Trechos do livro viralizaram na internet, alavancados por notícias falsas e teorias conspiratórias, e a atenção repentina gerada pela obra fez com que a editora Citadel se interessasse em publicá-la, tanto é que chega agora ao Brasil.

"A nova vida que o livro ganhou por causa da pandemia na vida real é verdadeiramente interessante", comentou o autor em entrevista exclusiva ao Estadão sobre esse inusitado sucesso tardio. "A obra foi publicada originalmente sob um pseudônimo quando eu era mais jovem e ainda lutando para construir uma carreira."

Apesar das semelhanças com as situações que o mundo vem enfrentando, Koontz nega ter tentado prever qualquer coisa. "O vírus em Os Olhos da Escuridão é o que Hitchcock chamou de um 'MacGuffin', o objeto que dá início a uma história, mas não é exatamente sobre o que a trama trata. Apesar da desinformação grotesca nas redes sociais, a obra não é sobre pandemias, e eu não previ 2020 como o ano em que aconteceria", afirma o escritor.

"No livro, o vírus é uma arma biológica que foi acidentalmente liberada de maneira limitada, e para a qual uma vacina está sendo pesquisada por cientistas a serviço do Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Quando eu estava procurando uma origem plausível para esse tipo de arma, minhas pesquisas me levaram aos laboratórios de biologia bélica na China. Naquela época, um deles ficava próximo a Wuhan", explica Koontz, a respeito de como chegou a essa solução para seu enredo. "Nenhuma clarividência foi necessária! Só pesquisa."

Antes da pandemia, o livro já havia sido traduzido para 30 idiomas e vendido mais de 4 milhões de exemplares. Apesar do interesse renovado, Koontz não é um entusiasta da própria obra. "Eu colocaria Os Olhos da Escuridão entre os meus romances menos interessantes. Uma história divertida e cheia de suspense, mas nada além disso", afirma o escritor. "O que eu escrevi desse livro em diante é muito mais ambicioso e complexo."

OS OLHOS DA ESCURIDÃO

Autor: Dean Koontz

Editora: Citadel

272 páginas

R$ 44,90 impresso

R$ 16,99 e-book

Veja também:

Sabrina Sato revela que pai está hospitalizado com covid-19
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade