0

Itália tem maior nº de novos casos de covid-19 desde março

Itália soma agora 343.770 diagnósticos positivos e 36.111 óbitos causados pelo novo coronavírus

9 out 2020
12h32
atualizado às 12h50
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A Itália registrou 5.372 novos casos do coronavírus Sars-CoV-2 nesta sexta-feira (9), maior número para um único dia desde 28 de março, quando haviam sido contabilizados 5.974 contágios.

Protesto contra possíveis restrições ao comércio em Nápoles
Protesto contra possíveis restrições ao comércio em Nápoles
Foto: ANSA / Ansa

Naquela época, o país enfrentava o pico da pandemia e vivenciava as primeiras semanas do lockdown decretado pelo governo. Essa também é a sétima maior cifra de novos casos em 24 horas desde o início da crise. O recorde é detido por 21 de março, com 6.557.

De acordo com o boletim atualizado do Ministério da Saúde, a Itália soma agora 343.770 diagnósticos positivos e 36.111 óbitos causados pelo novo coronavírus, após um acréscimo de 28 vítimas em um dia, seis a mais que na quinta-feira.

A principal responsável pelo aumento expressivo dos casos nesta sexta é a Lombardia, epicentro da pandemia no país e que registrou 983 contágios em 24 horas. A Campânia, que vinha liderando a estatística em outubro, teve 769.

Em seis dias, a Itália já superou o número de novos casos da semana passada: são 21.020 diagnósticos positivos desde domingo (4), contra 14.650 da semana passada inteira. Agora o país acumula 12 semanas seguidas de aceleração na pandemia.

Médias móveis

O novo balanço do Ministério da Saúde fez a média móvel de casos em sete dias subir para 3.409, cifra 111% maior que a registrada duas semanas atrás. Também é o maior índice desde 17 de abril (3.551).

A média móvel de óbitos se manteve em 24, alta de 28% na comparação com 14 dias atrás, mas ainda longe dos 814 registrados em 2 de abril, no pico da crise na Itália. Já o auge da média móvel de casos em sete dias ocorreu em 26 de março, com 5.643.

O país também contabiliza 237.549 pacientes curados e 70.110 casos ativos, maior número desde 16 de maio (70.187), ainda antes do fim do lockdown. Do total de pessoas com contágios ativos, 387 estão internadas em UTIs, 29 a mais que na quinta-feira.

O governo prorrogou o estado de emergência devido à pandemia até 31 de janeiro, mas descarta impor uma nova quarentena. O primeiro-ministro Giuseppe Conte se reunirá com representantes dos partidos da base aliada nesta sexta-feira para discutir o avanço do coronavírus.  

Veja também:

Os fatores por trás da popularidade de Jacinda Ardern, reeleita com folga premiê da Nova Zelândia
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade