PUBLICIDADE

CPI não produziu nada além de "ódio e rancor", diz Bolsonaro

Presidente critica CPI no dia em que Renan apresenta o relatório final da Comissão e sugere indiciamento de Bolsonaro por vários crimes

20 out 2021 12h39
| atualizado às 12h50
ver comentários
Publicidade
Presidente Jair Bolsonaro fala ao telefone celular em Brasília
19/10/2021 REUTERS/Ueslei Marcelino
Presidente Jair Bolsonaro fala ao telefone celular em Brasília 19/10/2021 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira que a CPI da Covid do Senado não produziu nada a não ser "ódio e rancor", em uma crítica no dia em que o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), faz a leitura do seu parecer que aponta Bolsonaro como principal responsável pelos erros na condução da pandemia que matou mais de 600 mil pessoas no país.

"Como seria bom se aquela CPI tivesse fazendo algo de produtivo para o nosso país. Tomaram tempo do nosso ministro da Saúde, servidores, pessoas humildes e empresários", disse Bolsonaro durante evento no interior do Ceará.

"Nada produziram a não ser ódio e rancor", emendou.

Renan sugeriu indiciamento de Bolsonaro por uma série de delitos: epidemia com resultado de morte, infração de medida sanitária preventiva, charlatanismo, incitação ao crime, falsificação de documento particular, emprego irregular de verbas públicas, prevaricação, crimes contra a humanidade nas modalidades extermínio, perseguição e outros atos desumanos, violação de direito social e incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo.

Após reunião na véspera com senadores da CPI, o relator decidiu retirar as sugestões para os órgãos de controle indiciarem o presidente pelos crimes de homicídio e genocídio.

Bolsonaro eximiu-se de responsabilidade em seu discurso no Ceará, ao afirmar saber que "não temos culpa de nada" e que fez a "coisa certa desde o primeiro momento". Ele voltou a defender medicamentos ineficazes contra a covid-19 no tratamento da doença, um dos motivos que levaram Renan a pedir seu indiciamento.

Durante o discurso de Bolsonaro, a plateia de apoiadores do presidente gritou "Renan vagabundo", ao que Bolsonaro respondeu: "A voz do povo é a voz de Deus".

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade