6 eventos ao vivo

Covid na França pode melhorar em 4 a 6 semanas, diz ministro

Vacina é aposta para o retorno gradual da vida normal no país

5 mar 2021
09h39
atualizado às 09h53
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A situação da covid-19 na França pode melhorar ao longo das próximas quatro a seis semanas, à medida que mais habitantes se vacinam, o que pode levar a uma retomada gradual da vida normal, reafirmou o ministro da Saúde francês, Olivier Verán, nesta sexta-feira.

Ministro da Saúde da França, Olivier Verán, durante entrevista coletiva em Paris
04/03/2021 Alain Jocard/Pool via REUTERS
Ministro da Saúde da França, Olivier Verán, durante entrevista coletiva em Paris 04/03/2021 Alain Jocard/Pool via REUTERS
Foto: Reuters

Verán também disse à BFM TV que o país está fazendo tudo o que pode para evitar um novo lockdown nacional, mas que o governo manterá todas as opções na mesa.

O governo francês está poupando a região de Paris de um lockdown de fim de semana por ora, e promete acelerar a distribuição de vacinas em duas dúzias de zonas de alto risco na tentativa de amenizar o fardo dos hospitais e evitar restrições adicionais.

O presidente, Emmanuel Macron, está determinado a manter a economia ativa o maior tempo possível, apesar de a taxa de infecções de covid-19 estar aumentando nacionalmente, e o governo está se atendo à estratégia de um toque de recolher nacional das 18h às 6h.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro, Jean Castex, disse que cerca de 60% dos casos franceses de covid-19 são da variante descoberta primeiramente na Inglaterra, e Verán disse que cerca de 6% são das variantes do Brasil e da África do Sul.

No mesmo dia, a França registrou 25.279 infecções novas de coronavírus, o que eleva o total de casos a 3,84 milhões, e mais 293 mortes, que agora chegam a 87.835.

Veja também:

'A melhor vacina é a disponível': Por que não se pode comparar os imunizantes contra covid-19
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade