PUBLICIDADE

Ato em Copacabana homenageia com lenços brancos as 600 mil vítimas da covid-19 no Brasil

A instalação promovida pela ONG Rio de Paz cobra punição para os responsáveis pela gestão de combate à doença. Lenços serão levados a Brasília no dia da leitura do relatório da CPI da Covid

8 out 2021 18h10
ver comentários
Publicidade

RIO - Seiscentos lenços brancos foram estendidos na manhã desta sexta-feira, 8, em varais instalados na areia da praia de Copacabana, na zona sul do Rio. A homenagem foi promovida pela ONG Rio de Paz e lembra os 600 mil mortos pela covid-19 no Brasil desde o início da pandemia, em março do ano passado. O ato cobra punição para os responsáveis pela gestão do combate à doença.

A instalação ocorreu no trecho da praia em frente ao hotel Copacabana Palace. Segundo os organizadores, os lenços foram escolhidos por serem símbolos do adeus e do aceno à distância, além de usados para enxugar lágrimas. Além dos lenços, foram expostas quatro faixas, uma delas com a pergunta "Quem são os responsáveis por essa tragédia?" e outras com as palavras "incompetência", "irresponsabilidade" e "insensibilidade".

"A maior parcela de culpa recai sobre o governo federal, por vários motivos. Em primeiro lugar, a falta de empatia do presidente Bolsonaro. Participou de manifestações públicas, inclusive antidemocráticas, desestimulou o uso de máscara, combateu o distanciamento social, e o seu governo foi incapaz de criar um gabinete de crise, para que governadores e prefeitos apresentassem ao país uma política comum para o combate a pandemia", criticou Antonio Carlos Costa, presidente da ONG.

Após a manifestação, os lenços serão recolhidos e entregues ao taxista Márcio Antônio do Nascimento. Em outro ato da ONG Rio de Paz para homenagear as vítimas da covid-19 e cobrar medidas do governo, em 11 de junho do ano passado, cruzes foram fincadas na areia, e um homem que criticava a manifestação arrancou algumas delas. O taxista passava pelo local, viu a atitude e entrou na areia para fincar novamente as cruzes. Ele é pai de Hugo, de 25 anos, que havia morrido de covid-19 pouco tempo antes.

Segundo a Rio de Paz, em 19 de outubro o taxista vai a Brasília para acompanhar a leitura do relatório da CPI da Covid, e levará os lenços, que serão entregues aos integrantes da Comissão.

Estadão
Publicidade
Publicidade