PUBLICIDADE

Conflito Israel e palestinos: silêncio do Itamaraty 'não é normal', diz especialista

Presidente Bolsonaro criticou ataques a Israel no Twitter, mas Itamaraty ainda não emitiu nota oficial — algo pouco comum nesses casos.

18 mai 2021 19h04
ver comentários
Publicidade
Para especialista, ministro das Relações Exteriores, Carlos França, busca 'filtrar' radicalismo de Bolsonaro
Para especialista, ministro das Relações Exteriores, Carlos França, busca 'filtrar' radicalismo de Bolsonaro
Foto: Reuters / BBC News Brasil

A escalada de violência entre Israel e palestinos já entrou na sua segunda semana — com cerca de 200 mortos em Gaza e dez em Israel — e vem provocando intensas manifestações diplomáticas.

Mas até agora, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil (Itamaraty) ainda não se manifestou sobre o assunto, que foi tema de reuniões emergenciais do Conselho de Segurança da ONU.

O presidente Jair Bolsonaro se pronunciou na semana passada no Twitter: "É absolutamente injustificável o lançamento indiscriminado de foguetes contra o território israelense. A ofensiva provocada por militantes que controlam a Faixa de Gaza e a reação israelense já deixaram mortos e feridos de ambos os lados."

"Expresso minhas minhas condolências às famílias das vítimas e conclamo pelo fim imediato de todos os ataques contra Israel, manifestando meu apoio aos esforços em andamento para reduzir a tensão em Gaza."

No entanto, o órgão máximo da diplomacia brasileira — que recentemente viu seu comando trocado, com a entrada de Carlos França no lugar de Ernesto Araújo — não emitiu nenhuma nota.

O Itamaraty costuma lançar comunicados sobre diversos eventos internacionais. No último mês, o ministério das Relações Exteriores emitiu notas sobre acontecimentos como o conflito em Myanmar, um acidente durante uma celebração religiosa na Galileia, em Israel, e o falecimento do presidente do Chade.

Israel é um dos países com maior presença nos comunicados do Itamaraty desde que Bolsonaro chegou ao poder, em 2019.

Durante sua presidência, o Itamaraty já emitiu dez notas oficiais sobre Israel sobre assuntos variados: declarações sobre visitas oficiais de Bolsonaro e de diplomatas ao país, comentários sobre acordos de normalização de relações entre Israel e alguns países árabes e sobre o plano do ex-presidente Donald Trump de pacificar a região.

Em 2019, o Itamaraty emitiu duas notas oficiais — uma em março e outra em junho — ambas condenando o lançamento de foguetes contra Israel.

"O governo brasileiro condena, nos termos mais veementes, o lançamento de mísseis desde a Faixa de Gaza contra a região central de Israel, onde se localiza a cidade de Tel Aviv. Nada pode justificar o disparo indiscriminado de foguetes contra centros urbanos, em ataques que têm como alvo a população civil", dizia a nota de março de 2019.

A BBC News Brasil entrou em contato com o Itamaraty perguntando se haveria uma nota oficial do órgão sobre o atual conflito entre Israel e palestinos, mas não recebeu retorno.

Silêncio diplomático

Para o especialista em relações internacionais e professor da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo, Guilherme Casarões, o silêncio do Itamaraty é incomum diante de um conflito como esse.

"Isso não é comum para a diplomacia brasileira, que tem uma tradição de se manifestar de forma assertiva sobre o tema", disse Casarões à BBC News Brasil.

No passado, manifestações mais veementes do Brasil já provocaram reações de Israel.

Em 2014, em meio a uma escalada de violência entre Israel e a Faixa de Gaza, o Itamaraty emitiu uma nota criticando "o uso desproporcional de força por parte de Israel". Na ocasião, um porta-voz da chancelaria de Israel chamou o Brasil de "anão diplomático" e o episódio. Na ocasião, o então presidente israelense Reuven Rivlin telefonou para a então presidente Dilma Rousseff e pediu desculpas.

Casarões afirma que o episódio revela um pouco do que deve ser a linha do novo ministro das Relações Exteriores, Carlos França, que assumiu o posto em março — que deve ser mais conciliadora e menos radical que a de seu antecessor, Ernesto Araújo.

"Bolsonaro e Araújo estavam na mesma página", diz o cientista político. O presidente e o ex-ministro concordavam com um maior alinhamento do Brasil com Israel — uma mudança em relação à posição tradicional do país, que sempre foi de maior equilíbrio.

Isso explica o posicionamento crítico ao Hamas nas notas brasileiras na gestão de Araújo, mas sem nenhuma crítica a operações militares israelenses.

Esse novo alinhamento a Israel atente a um discurso de campanha de Bolsonaro, que chegou a prometer a transferência da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém — algo que poucos países no mundo fazem, pois poderia resultar em boicotes comerciais de nações árabes.

"A proposta do Carlos França é de fazer uma diplomacia de perfil baixo. Ela não é contrária ao Bolsonaro. França tem atuado para minimizar o efeito das posições radicais do Bolsonaro na política externa brasileira", diz Casarões.

"Essas declarações de Twitter do Bolsonaro tem como objetivo de sinalizar para a base. O trabalho do Carlos França, entre outras coisas, é filtrar o que é dito para a base daquilo que serão posições consolidadas do governo brasileiro dignas, por exemplo, de notas oficiais do Itamaraty."

Apesar das seguidas demonstrações de maior apoio de Bolsonaro a Israel, Casarões afirma que a política externa brasileira segue em grande parte o mesmo pragmatismo que já é tradicional do Itamaraty.

"O Itamaraty não é alinhado em absoluto ao bolsonarismo. É um órgão do governo, mas não é um órgão que replica irrefletidamente as posições do governo em relação a alguns temas."

"O governo precisa zelar também pelas suas relações comerciais, que são pragmáticas. Quando uma delegação do Bolsonaro voltou de Israel [em 2019], a primeira atitude do governo foi fazer um jantar com 40 representantes dos países muçulmanos em Brasília. A ministra [da Agricultura] Tereza Cristina organizou esse jantar para sinalizar aos parceiros econômicos brasileiros."

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Publicidade
Publicidade