2 eventos ao vivo

Marinha considera crise do vazamento de óleo "estabilizada"

'Basicamente o que toca a praia hoje são vestígios. A quantidade é pequena', disse o almirante Marcelo Francisco Campos

29 nov 2019
13h14
atualizado às 13h48
  • separator
  • 0
  • comentários

A Marinha informou nesta sexta-feira (29) que considera estabilizada a crise pelo avanço do óleo sobre o litoral brasileiro e deve enviar de volta ao Rio de Janeiro, a partir de 20 de dezembro, tropas que reforçam o combate ao desastre ambiental.

 Mais de 450 quilos de óleo foram retirados somente da Praia de Atalaia, no Piauí 
Mais de 450 quilos de óleo foram retirados somente da Praia de Atalaia, no Piauí
Foto: MARINHA DO BRASIL/DIVULGAÇÃO / Estadão Conteúdo

"Basicamente o que toca a praia hoje são vestígios (das manchas de óleo). A quantidade é pequena. O que nos leva a falar que estamos vivendo período de estabilização", disse coordenador operacional do grupo de acompanhamento e avaliação da Marinha, almirante Marcelo Francisco Campos.

O monitoramento feito pelo Ibama, porém, aponta que o número de localidades atingidas continua subindo. Balanço desta quinta, 28, indica que já são 803. Ao todo, ao menos 126 municípios de todos os nove estados do Nordeste, do Espírito Santo e do Rio de Janeiro foram afetados por fragmentos ou manchas de petróleo cru desde 30 de agosto.

Em 20 de dezembro começará a segunda fase da Operação Amazônia Azul, com foco em ações de manutenção e controle, conduzidas por equipes locais da Marinha e agentes de Estados e municípios. As equipes do Rio, no entanto, devem seguir em alerta para retornar às praias em casos de emergências.

"Diria que situação hoje é controlada, maior parte das áreas atingidas hoje estão limpas. E quantidade de óleo que tem aparecido, é cada vez menor", afirmou o Campos. Com a decisão de desmobilizar tropas, devem retornar ao Rio os dois maiores navios da Marinha: o Bahia e o Atlântico.

No começo de 2020, a Marinha deve começar a 3ª fase da operação Amazônia Azul, com ações de monitoramento nas praias. O governo usará equipes da "Operação Aspirantex", com agentes da Esquadra Brasileira, e da tradicional Operação Verão, que fará ações de prevenção da poluição hídrica. Nesta fase serão mobilizados 5 mil funcionários militares e civis.

Segundo o almirante Campos, há 19 dias não são encontradas manchas no mar. Na última semana, 99% das ocorrências são de vestígios do óleo, afirmou.

O almirante não descartou, porém, o retorno de grande volume de óleo às praias. "Em face do ineditismo dessa grave ocorrência, estamos nos preparando para tudo", disse.

Segundo Marcelo Amorim, do Ibama, a "área de interesse" das ações de combate ao óleo se estende por 4 mil quilômetros, sendo que em 800 quilômetros houve pontos atingidos.

O almirante Campos disse que segue como "uma das hipóteses" que o olho tenha sido derramado pelo navio grego Bouboulina. "Estamos até analisando naufrágios da época da 2ª guerra. Mas o mais provável é o trânsito de embarcações com derramamento desse óleo acidentalmente ou não", disse.

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade