2 eventos ao vivo

Vem Pra Rua diz que cancelou ato anti-Temer porque PM não garantiu segurança; polícia nega

19 mai 2017
21h10
atualizado às 21h25
  • separator
  • comentários

Após a eclosão do escândalo que abalou o governo, comunicados em redes sociais prometiam manifestações contra o presidente Michel Temer em ao menos 20 cidades. Milhares de pessoas confirmaram a presença nos eventos, previstos para ocorrer em pelo menos 11 Estados diferentes no próximo domingo. Mas tudo foi cancelado.

Rogério Chequer disse que Vem Pra Rua cancelou manifestações após PM não garantir segurança
Rogério Chequer disse que Vem Pra Rua cancelou manifestações após PM não garantir segurança
Foto: Felipe Souza / BBCBrasil.com

O único motivo, segundo o líder do movimento Vem Pra Rua, Rogério Chequer, é a falta de segurança oferecida pela Polícia Militar de São Paulo.

"Marcamos essa manifestação na quarta-feira, pouco tempo antes da realização. Na quinta-feira, fomos coordenar com a PM, como sempre fizemos em todas as outras manifestações, e eles informaram que não poderiam oferecer o nível de segurança oferecido nas anteriores por causa da Virada Cultural, que está consumindo muitos recursos", afirmou.

Procurada pela BBC Brasil, a Polícia Militar negou a informação.

"Em nenhum momento, a PM informou que não haveria possibilidade de garantir a segurança de participantes", disse a Secretaria da Segurança Pública do Estado.

"Como sempre ocorre nessas situações, houve um alerta por parte da PM de que outros grupos, de visões antagônicas, estariam se manifestando na mesma data e que cada um deles poderia exercer o seu direito constitucional em lugares específicos para não haver a possibilidade de desavenças", informou, em nota.

Rogério Chequer disse que vai marcar nova data para fazer protesto contra Michel Temer
Rogério Chequer disse que vai marcar nova data para fazer protesto contra Michel Temer
Foto: BBC / BBCBrasil.com

Questionado novamente sobre o assunto após o posicionamento da polícia, Chequer afirmou que não participou da reunião com os policiais militares e que recebeu a informação sobre a segurança do protesto de uma pessoa de sua confiança, que estava no encontro com PM.

"Foi a informação que eu recebi, porque eu não estava nessa reunião. E eu não estava preocupado com grupos antagônicos porque está na Constituição o direito ao protesto e nós comunicamos primeiro que faríamos o ato. Tínhamos até mesmo um ofício para fazer o protesto", disse o líder do Vem Pra Rua.

Representantes de outros movimentos sociais ouvidos pela BBC Brasil disseram que vão manter o protesto para domingo na avenida Paulista. Afirmaram ainda que em nenhum momento a polícia falou sobre a possibilidade de não haver segurança suficiente para atuar na manifestação.

Um deles afirmou que não houve alerta e, mesmo se houvesse, manteria o ato.

Indagado pela BBC Brasil sobre o motivo de os protestos serem cancelados em todo o país por causa de uma questão de segurança em São Paulo, Chequer afirmou que desconhecia a decisão, que havia sido amplamente divulgada nas redes sociais do Vem Pra Rua um dia antes.

Rogério Chequer disse que esta foi a primeira vez que o Vem Pra Rua cancela uma manifestação
Rogério Chequer disse que esta foi a primeira vez que o Vem Pra Rua cancela uma manifestação
Foto: EPA / BBCBrasil.com

"Eu estava na dúvida se haveria nas outras cidades. Só agora (sexta à noite) estou sabendo disso. O grupo decidiu não fazer o ato em outras regiões porque tinham a intenção de fazer algo em caráter nacional, e São Paulo é muito importante nesse ponto de vista."

Chequer disse ainda que esta foi a primeira vez que o grupo cancela uma manifestação, mas fez uma mea-culpa.

"Mas também é a primeira vez que convocamos um protesto com tão pouca antecedência."

Críticas nas redes

Após cancelar a participação nas manifestações do próximo domingo, as páginas do Vem Pra Rua e do MBL (Movimento Brasil Livre) receberam uma avalanche de críticas.

Algumas pessoas afirmaram na página do Vem Pra Rua que o grupo vai "perder a credibilidade", e que a falta de segurança é uma "desculpa esfarrapada".

"Melhor adiar do que colocar em risco pessoas", respondeu o perfil do movimento.

A página do Movimento Brasil Livre também foi alvo de críticas.

A Polícia Militar de São Paulo nega não ter garantido segurança para o ato durante reunião com o Vem Pra Rua
A Polícia Militar de São Paulo nega não ter garantido segurança para o ato durante reunião com o Vem Pra Rua
Foto: Reprodução Facebook / BBCBrasil.com

"O MBL não representa mais os brasileiros. Nunca mais participo de qualquer manifestação desse movimento tendencioso!", disse um dos usuários no Facebook.

O MBL foi procurado, mas seus representantes não foram encontrados pela BBC Brasil para comentar o caso.

Chequer, líder de um dos principais movimentos que pediram a queda da ex-presidente Dilma Rousseff, disse que o Vem Pra Rua vai definir uma nova data para a manifestação que pedirá a renúncia de Temer.

"A nossa posição é a mesma. Queremos que o presidente deixe o cargo e ainda estamos vendo outra data."

BBCBrasil.com BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade