PUBLICIDADE

Política

'Se tiver que fazer déficit, vamos fazer, ou a gente não ganha a eleição', diz líder do governo Lula

José Guimarães, líder do governo na Câmara, defendeu mobilizar bem a militância para garantir vitórias nas eleições de 2024

9 dez 2023 - 18h12
Compartilhar
Exibir comentários

O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), afirmou neste sábado, 9, que deve haver déficit orçamentário ano que vem se for preciso. O deputado avaliou que a busca pela meta de zerar o rombo das contas públicas pode fazer com que a sigla perca as eleições municipais. Ele defendeu ainda que é necessário "mobilizar bem" a militância para que a legenda saia vitoriosa na disputa pelas prefeituras em 2024.

José Guimarães defendeu que o governo Lula faça déficit fiscal se for preciso para ganhar a eleição. FOTO BRUNO SPADA /AGENCIA CAMARA
José Guimarães defendeu que o governo Lula faça déficit fiscal se for preciso para ganhar a eleição. FOTO BRUNO SPADA /AGENCIA CAMARA
Foto: Bruno Spada/Agência Câmara / Estadão

Guimarães falou por cerca de 15 minutos durante uma mesa na Conferência Eleitoral do PT, em Brasília. "Eu estava agora ali conversando com a presidenta Gleisi (Hoffmann). Se tiver que fazer déficit, nós vamos ter que fazer. Porque senão, a gente não ganha eleição em 2024?, afirmou.

Haddad rebate Gleisi e diz que não é verdade que déficit faz economia crescer
  • Fala de Gleisi sobre ampliar gastos gera críticas de economistas e opositores do governo Lula
  • Presidente do PT, Gleisi diz que 'Estado tem que entrar com tudo' se setor privado 'não está bem'
  • Além disso, a presidência da Caixa Econômica Federal foi assumida por Carlos Antônio Vieira Fernandes, indicado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). O comando da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) também está em negociação.

    Na conferência, Padilha defendeu também que a federação do PT com o PCdoB e o PV, liderada pelos petistas, receba integrantes de outros partidos que queiram fazer parte de suas fileiras. "Não é hora de fazer DR com quem estava envergonhado [em apoiar o governo Lula antes]", disse o ministro. Além disso, ele afirmou que é preciso fazer disputa política com os bolsonaristas nos municípios.

    Estadão
    Compartilhar
    Publicidade
    Publicidade