0

Reconhecimento de Bolsonaro é recado a políticos, diz Caiado

Governador de Goiás elogiou o presidente durante a participação de ambos em um evento para evangélicos

19 set 2020
12h20
atualizado às 12h50
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Em mais um sinal de que as rusgas do início da pandemia ficaram para trás, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), disse neste sábado, 19, que o reconhecimento da população ao presidente Jair Bolsonaro é um "recado" a todos os políticos. Ele também elogiou os repasses feitos pelo governo federal para dar suporte financeiro aos Estados durante a crise provocada pela covid-19.

O presidente Jair Bolsonaro com os governadores Mauro Mendes (MT) e Ronaldo Caiado (GO) no lançamento do projeto 'Juntos pelo Araguaia'
O presidente Jair Bolsonaro com os governadores Mauro Mendes (MT) e Ronaldo Caiado (GO) no lançamento do projeto 'Juntos pelo Araguaia'
Foto: Alan Santos/Presidência da República / Estadão Conteúdo

Caiado e Bolsonaro participaram nesta manhã de uma convenção promovida pela Assembleia de Deus na Catedral Baleia, como é chamada a sede nacional das Assembleias de Deus Ministério de Madureira, em Brasília. Em seu discurso, o governador citou as viagens do presidente pelo País e a receptividade nesses locais.

"Não existe recado maior para nós políticos do que o reconhecimento da população e ao mesmo tempo o apoio em todas as medidas que estão sendo tomadas para nós resgatarmos credibilidade na boa política, no sentido de fazer com que as populações mais vulneráveis tenham a mão estendida do governo, e ao mesmo tempo as posições firmes de vossa excelência, com apoio como governador que sou", disse Caiado.

Segundo o governador, os Estados "jamais foram tão bem aquinhoados" com repasses para saúde, educação, segurança e programas sociais.

No início da pandemia, em março, Caiado chegou a romper com Bolsonaro devido à postura do presidente em relação ao enfrentamento à pandemia do coronavírus. O governador, que é médico, chegou a dizer à época que não seguiria as recomendações do presidente de suspender orientações para confinamento em massa da população, adotado como estratégia para frear a propagação da doença.

Caiado foi um dos responsáveis pela indicação de Luiz Henrique Mandetta, também filiado ao DEM, para o Ministério da Saúde. Mandetta foi demitido em meados de abril após entrar em rota de colisão com Bolsonaro sobre a condução das medidas de combate à covid-19.

Desde então, porém, o governador tem ensaiado uma reaproximação com Bolsonaro. Em agosto, Caiado já havia feito elogios ao governo federal pelo pagamento do auxílio emergencial à população mais vulnerável.

Veja também:

Flagrado com dinheiro na cueca, Chico Rodrigues pede afastamento do Senado por 90 dias
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade