PUBLICIDADE

Justiça condena vereador por ataque antissemita a colega na Câmara de SP

Pena de um ano e quatro meses de prisão, fixada incialmente pela Justiça, foi convertida em trabalhos comunitários pelo mesmo período

23 mai 2022 19h46
| atualizado às 20h54
ver comentários
Publicidade
Vereador paulistano Adilson Amadeu foi condenado por ataques antissemitas ao também vereador Daniel Annenberg
Vereador paulistano Adilson Amadeu foi condenado por ataques antissemitas ao também vereador Daniel Annenberg
Foto: Reprodução/Facebook

O vereador paulistano Adilson Amadeu (União Brasil) foi condenado por ataques antissemitas ao também vereador Daniel Annenberg (PSDB) durante uma sessão na Câmara Municipal de São Paulo. O tucano foi chamado de "judeu filho da puta" e "judeu bosta" após votar contra um projeto de lei do colega.

A pena de um ano e quatro meses de prisão, fixada incialmente pela Justiça, foi convertida em trabalhos comunitários pelo mesmo período. O vereador também foi condenado a pagar multa de um salário mínimo e indenização de R$ 10 mil por danos morais. Ele ainda pode recorrer.

Na época, Amadeu chegou a se desculpar com a comunidade judaica. Ele disse que se "excedeu" no "calor da discussão".

A juíza Ana Helena Mellim, da 31.ª Vara Criminal de São Paulo, enquadrou as declarações como injúria racial, que engloba ofensas de raça, cor, etnia e religião. Ela também considerou que a fala do vereador não estava protegida pela imunidade parlamentar.

"Muito embora o acusado tenha demonstrado arrependimento afirmando que assim agiu como forma de revidar comentários injuriosos da vítima, tais circunstâncias não são bastantes para aplicação do perdão judicial", escreveu.

COM A PALAVRA, O VEREADOR ADILSON AMADEU

A reportagem entrou em contato com o gabinete do vereador e, até a publicação deste texto, ainda aguardava resposta. O espaço está aberto para manifestação.

Estadão
Publicidade
Publicidade