PUBLICIDADE

Investigação sobre Flávio Bolsonaro alcança 37 imóveis

Promotoria já apontou indícios de lavagem de dinheiro em transações do senador

26 mai 2019
06h10 atualizado às 12h44
0comentários
06h10 atualizado às 12h44
Publicidade

RIO E SÃO PAULO - A investigação sobre o gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) atinge um total de 37 imóveis supostamente ligados ao senador do PSL, sua família, além da empresa Bolsontini Chocolates e Café. São 14 apartamentos e 23 salas comerciais em Copacabana, Botafogo, Barra da Tijuca e Jacarepaguá. O parlamentar afirma que não cometeu nenhum crime e se diz vítima de perseguição.

No pedido de quebra de sigilo bancário e fiscal de Flávio e outras 94 pessoas e empresas, de 15 de abril, o Ministério Público afirmava já ter reunido informações de que ele investira R$ 9,4 milhões na aquisição de 19 imóveis. "As vendas declaradas entre 2010 e 2017 representariam uma lucratividade de R$ 3 milhões." Em 21 de março, no entanto, relacionou os 37 imóveis em um pedido de informações a cartórios do Rio.

Flávio Bolsonaro durante cerimônia em Brasília
20/03/2019 REUTERS/Adriano Machado
Flávio Bolsonaro durante cerimônia em Brasília 20/03/2019 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Adriano Machado / Reuters

O documento sobre os imóveis é assinado por três promotores estaduais, que requisitaram cópias das certidões para verificar se existe algum tipo de dívida ligada ao imóvel, quem são seus proprietários e quando e como eles foram adquiridos. A devassa patrimonial é uma das linhas de investigação do Ministério Público no caso dos supostos pagamentos irregulares detectados no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro e das movimentações bancárias atípicas nas contas de seu ex-assessor Fabrício Queiroz.

'Arrecadação'

A apuração começou após reportagem do jornal Folha de S.Paulo sobre a evolução do patrimônio da família Bolsonaro em janeiro de 2018. Ela envolvia negociações de 19 imóveis e foi aberta em 20 de fevereiro, no Grupo de Atuação Originária em Matéria Criminal.

Em 26 de abril, o parlamentar entregou sua defesa. Disse que os imóveis não valiam o que era estimado pela prefeitura, pois "qualquer habitante da terra sabe que estes valores são superfaturados pelo poder público para aumentar a arrecadação com impostos como IPTU e ITBI e que um imóvel jamais seria vendido se anunciado pelo valor estimado pela prefeitura".

De acordo com ele, a acusação desconsiderava as formas e o contexto com que os imóveis haviam sido negociados e confundia as datas de "compra e venda dos mesmos". Flávio disse ter adquirido o imóvel de Botafogo quando era solteiro, em 2005, por R$ 350 mil e o vendido nove anos depois por R$ 1,45 milhão, valores, segundo ele, "compatíveis com a valorização imobiliária ocorrida no Rio durante o período".

Com esse dinheiro, o então deputado comprou o imóvel na Barra da Tijuca, onde mora, avaliado em R$ 2,55 milhões. Flávio afirma na manifestação ter feito financiamento no banco Itaú para pagá-lo e confirm ter comprado em 2008 salas comerciais na Barra da Tijuca. Pagou "parcelas da compra com muita dificuldade até a cessão de direitos ser adquirida pela MCA Participações Ltda em 2010". Houve ganho de R$ 210 mil para Flávio. "Nenhuma mágica na operação", diz ele. "Apenas um arriscado, mas bem-sucedido negócio legal, transparente e devidamente declarado."

Sobre os apartamentos em Copacabana, ele afirmou que em 2012 vislumbrou outra "oportunidade de investimento em imóveis". Comprou as "quitinetes em péssimo estado de conservação e com dívida de condomínio". Disse ter pago R$ 140 mil por um e R$ 170 mil por outro aos proprietários americanos. Revendeu os imóveis "às vésperas da Copa do Mundo de 2014, o que os valorizou bastante". Ele também negou irregularidades relacionadas ao imóvel em Laranjeiras e pediu o arquivamento da investigação.

Em 17 de maio, o promotor Tulio Caiban Bruno solicitou o arquivamento do caso por não vislumbrar "quaisquer elementos informativos alusivos à prática de infração penal antecedente pelo parlamentar Flávio Bolsonaro da qual o produto ou resultado financeiro estaria sendo ocultado ou dissimulado mediante a aquisição de imóveis". Em 18 de maio, o subprocurador-geral de Justiça, Alexandre Araripe Marinho, aprovou o relatório.

Em 28 de fevereiro de 2019, o Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc) do MP do Rio pediu o desarquivamento do caso, o que ocorreu em 14 de março em razão da investigação sobre a apropriação de dinheiro de funcionários da Alerj no gabinete de Flávio.

A assessoria do senador informou que "não são verdadeiras as informações vazadas acerca do patrimônio do parlamentar". "Continuo sendo vítima de seguidos e constantes vazamentos de informações contidas em processo que está em segredo de Justiça", diz a nota. "Sempre declarei todo meu patrimônio à Receita Federal e tudo é compatível com a minha renda. Tenho meu passado limpo e jamais cometi qualquer irregularidade em minha vida."

Veja também:

Direto ao Ponto: Na semana política, Bob Esponja, casamento, articulação e mea-culpa:

 

Estadão
Publicidade
Publicidade