1 evento ao vivo

Ricardo Salles defende agilidade no licenciamento ambiental

Futuro ministro do Meio Ambiente afirmou que "isso não significa afrouxar as garantias para o meio ambiente"

1 jan 2019
15h27
atualizado às 15h34
  • separator
  • 0
  • comentários

O futuro ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, defendeu maior agilidade e estabilidade na concessão de licenciamento ambiental, mas ponderou que "isso não significa afrouxar as garantias para o meio ambiente".

Salles conversou rapidamente com a imprensa ao chegar ao Palácio do Planalto, onde o presidente eleito, Jair Bolsonaro, receberá a faixa presidencial e assinará termo de posse de seus 22 ministros. Antes de se encaminhar ao Planalto, Bolsonaro será empossado como Presidente da República no Congresso Nacional.

Ricardo Salles em Brasília
 10/12/2018   REUTERS/Adriano Machado
Ricardo Salles em Brasília 10/12/2018 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, no mês passado, o futuro presidente do Ibama, Eduardo Fortunato Bim, disse que o governo Bolsonaro estuda acelerar e simplificar o licenciamento ambiental a partir do ano que vem. Entre as mudanças, está previsto um licenciamento automático para o agronegócio.

Nesta terça, Salles também disse que a pasta possuirá várias prioridades, mas destacou como mais urgente "um choque de gestão ambiental". "Vamos colocar todo o ministério digital, na internet, para que todas as pessoas possam consultar", afirmou.

Ele disse que o trabalho já começa amanhã e destacou, ainda, o cuidado do meio ambiente em zona urbana. "Fala-se muito dos temas do meio ambiente no campo, mas precisamos focar nas cidades, poluição dos rios, poluição do ar, poluição do solo, enfim, as grandes cidades, regiões metropolitanas têm deixado a desejar no cuidado com o meio ambiente."

Em dezembro, Salles foi condenado em primeira instância por improbidade administrativa, mas sua indicação foi mantida. Ainda cabe recurso contra a condenação. Ele é acusado pelo Ministério Público de fraudar processo do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Tietê, em 2016, quando estava à frente da pasta do Meio Ambiente do governo de Geraldo Alckmin (PSDB).

Veja também:

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade