PUBLICIDADE

Doria: Brasil perdeu a compaixão com governo negacionista

Governador elencou os 10 principais pontos que o Brasil precisa seguir para sair mais forte da pandemia de coronavírus

17 abr 2021
20h33 atualizado às 20h39
0comentários
20h33 atualizado às 20h39
Publicidade

Num discurso recheado de críticas diretas ao presidente Jair Bolsonaro, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), elencou há pouco os 10 principais pontos que o Brasil precisa seguir para sair mais forte da pandemia de coronavírus. Ele participa do painel "Desafios do Brasil", do Brazil Conference at Harvard & MIT, evento organizado pela comunidade de estudantes brasileiros de Boston (EUA), em parceria com o Estadão.

João Doria participou de coletiva no Palácio dos Bandeirantes
João Doria participou de coletiva no Palácio dos Bandeirantes
Foto: Mister Shadow/ASI / Estadão Conteúdo

Outros nomes considerados possíveis presidenciáveis também participaram, como o apresentador de televisão Luciano Huck; o ex-ministro da Fazenda Ciro Gomes (PDT; o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), e o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT). "Entendo que isso (reunir estas pessoas) é um fato histórico neste momento difícil da vida dos brasileiros", avaliou.

O primeiro dos 10 pontos citados por Doria foi a importância das vacinas "para salvar, proteger, ajudar o Brasil a voltar à normalidade". Ele criticou o presidente pela demora na compra do imunizante. "Bolsonaro errou, e errou gravemente, quando não negociou vacinas em agosto do ano passado", apontou. O segundo ponto foi a Saúde. Conforme o governador, a Saúde está "machucada e prejudicada" pela circunstância de uma pandemia que levou à morte mais de 360 mil brasileiros. Para ele, o governo de Jair Bolsonaro também destruiu o Sistema Único de Saúde (SUS).

O terceiro ponto foi a compaixão. "O Brasil perdeu a compaixão com um governo negacionista, que estimulou conflitos, ataques, agressões, ameaças", disse o governador citando jornalistas, cientistas, escritores e políticos que seriam as classes profissionais mais atacadas pela atual administração. O quarto ponto, a Educação. "Sem a Educação, jamais seremos uma nação. Fomos para trás um década nestes dois anos. Já é o quarto ministro em dois anos", disse Doria, desafiando os demais presentes a dizerem o nome do atual ministro da Pasta.

O quinto ponto mencionado por Doria foi o Emprego, num momento em que há um "volume brutal" de desempregados. Ele citou que são mais de 18 milhões de pessoas fora do mercado de trabalho e 25 milhões desalentados, fora que 15 milhões de cidadãos, conforme o governador, não têm o que comer. "Nunca se tece um dado tão dramático quanto este", comparou. O sexto item citado por Doria foi a renda, os investimentos, que precisam ser feitos em todo o país independentemente da região.

O sétimo item na lista do governador é o respeito ambiental. "O Brasil andou 20 anos para trás e é um exemplo negativo. Perdemos bilhões de dólares de investidores japoneses, coreanos, canadenses, por causa da proteção ambiental. É a pior referência para o mundo neste momento." O oitavo é a proteção aos mais pobres. "Os volumes são brutais. É a maior faixa de pobreza dos últimos 50 anos. Nunca houve tanto desespero. Até Estados mais ricos, como o de São Paulo, vivem pressão da miséria", salientou.

O nono item apontado por Doria foi o respeito à democracia. "Este governo desrespeita a democracia, o jornalismo, os direitos humanos, o contraditório. "O presidente, o tal mito, que eu chamo de mito da morte, faz discurso ameaçador todas as semanas. Como se fosse um ditador eleito para ameaçar quem o faz oposição." Por fim, ele disse que o apoio à ciência e tecnologia seria o 10º ponto. "Nenhum país evolui sem investir em ciência e tecnologia, não consegue independência. Este governo a abandonou."

Estadão
Publicidade
Publicidade