0

Crivella xinga Doria de 'vagabundo' e usa termo homofóbico

Prefeito do Rio se referiu ao governador de São Paulo como "veado" em discurso a apoiadores

19 nov 2020
12h09
atualizado às 12h18
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), chamou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de "veado" e "vagabundo" durante discurso a apoiadores na noite dessa quarta-feira, 18, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. A fala teria sido dada após uma mulher que acompanhava a reunião criticar as Organizações Sociais (OS) que atuam na área da saúde no Rio.

Crivella xinga Doria de 'vagabundo' e usa termo homofóbico
Crivella xinga Doria de 'vagabundo' e usa termo homofóbico
Foto: IstoÉ

"Eu entrei na Justiça contra esses vagabundos. Tinha dinheiro pra pagar os funcionários, eles pegaram e pagaram fornecedor, que tinha que pagar dia 10 de dezembro. E faltou dinheiro", bradou Crivella. "Sabe de quem é essa OS? É OS de São Paulo, é do Doria, veado, vagabundo", continuou o prefeito, usando termo homofóbico. O discurso foi gravado por um dos presentes e acabou nas redes sociais. Crivella aparece gritando ao microfone, mas alguns trechos são inaudíveis.

Após a repercussão, o prefeito, que tenta a reeleição, se posicionou e pediu desculpas. "A fala foi um momento de revolta pela OS reter o salário de médicos e enfermeiros, mesmo tendo recebido da Prefeitura. Em tempos de pandemia, isso pode custar vidas. Marcelo Crivella pede desculpas pelos excessos, e ao governador João Doria", afirmou o prefeito do Rio.

O governador de São Paulo lamentou o episódio e disse que Crivella, segundo colocado nas pesquisas de intenção de voto para o segundo turno, está deixando a Prefeitura do Rio de maneira "melancólica". "Lamento que o prefeito do Rio de Janeiro, um pastor que deveria ser um exemplo, faça ataques, use palavrões e o preconceito para se referir a um governador. O prefeito Crivella se apequena e lamentavelmente encerra seu ciclo de forma melancólica", escreveu Doria nas redes sociais.

Veja também:

Barroso vê 'motivação política' em ataques contra TSE
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade