PUBLICIDADE

'Eu vou conversar com o Parlamento também', diz Bolsonaro

Presidente eleito disse que todos fazem parte de um time

27 nov 2018 19h47
| atualizado às 19h59
ver comentários
Publicidade

Em meio a divergências na cúpula da equipe de transição, o presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira, 27, que todos fazem parte de um time e têm que "jogar a bola para frente". "Eu também vou conversar com o Parlamento, todo mundo vai", disse.

Bolsonaro informou que o ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, anunciado para a Casa Civil, continuará com a missão de comandar a interlocução com o Congresso, mas destacou que o general Santos Cruz, que ficará na Secretaria de Governo, também terá responsabilidades na área.

President eleito, Jair Bolsonaro
07/11/2018
REUTERS/Adriano Machado
President eleito, Jair Bolsonaro 07/11/2018 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

O anúncio de que Santos Cruz ficará à frente da pasta responsável pela negociação com o Congresso gerou mal-estar porque, na prática, esvazia os poderes de Onyx. O futuro ministro da Casa Civil, por sua vez, chegou a afirmar em pelo menos duas ocasiões que a Secretaria seria extinta e ele acumularia a função. "Não podemos sobrecarregar demais uma pessoa no ministério", justificou Bolsonaro.

Além disso, também foi questionada a habilidade de Santos Cruz para dialogar com os congressistas. "Santos Cruz é uma pessoa que vai surpreender no trato com os parlamentares (...) Santos Cruz sabe como funciona o parlamento", defendeu o presidente eleito. Ele voltou a destacar que o diálogo do seu governo com o Legislativo será por meio das bancadas, entre elas a bancada evangélica, e não através dos partidos.

Bolsonaro ainda não soube esclarecer alguns pontos de divergência em sua equipe, como com quem ficará a Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (SPPI), atualmente na Secretaria-Geral.

Indicações

Ele também admitiu que sua equipe considerava ter um número menor de ministérios, cerca de 15 no total, mas que isso não será possível. Assegurou, no entanto, que o número não passará de 20 pastas.

Hoje, Bolsonaro anunciou o nome de Tarcísio Gomes de Freitas para comandar o Ministério da Infraestrutura.

O presidente eleito antecipou que deve anunciar amanhã o ministro responsável pelo Meio Ambiente, e que não será um militar. "O Meio Ambiente, apesar de eu ser verde, não vai ser um militar."

Outras escolhas, como o comando do Ministério de Minas e Energia, estão menos avançadas e podem demorar mais uma semana, segundo ele. "O casamento pode ser adiado", brincou.

Bolsonaro também garantiu que haverá um ministério para a área social, mas não deu detalhes. "Vai ter um ministério que vai envolver tudo isso aí; mulher, igualdade racial."

Ele também disse que pretende ter um porta-voz, que já sondou uma pessoa, mas ainda "não recebeu o sinal verde para anunciá-la". Questionado sobre o nome da senadora Ana Amélia (PP), respondeu que ela é uma "excelente pessoa" e "se possível" será convidada para o futuro governo.

Veja também:

5 dicas para planejar melhor o seu 13º salário:
Estadão
Publicidade
Publicidade