PUBLICIDADE

Tatiana Farah

Vídeos do 8/1 mostram que ataque pegou governo de surpresa

Palácio do Planalto errou ao fazer sigilo e não divulgar as imagens que vieram à tona.

24 abr 2023 - 07h00
(atualizado em 1/5/2023 às 16h25)
Compartilhar
Exibir comentários

Famoso por repetir bordões e frases célebres para os jornalistas, o vice-presidente Geraldo Alckmin sempre se fiou nesta: "a luz do sol é o melhor desinfetante". Nem sempre, quando governador, Alckmin abriu os segredos do Palácio dos Bandeirantes, mas a máxima é válida e deveria ser incorporada pelo governo Lula. Desde que o ministro do STF Alexandre de Moraes derrubou o sigilo sobre as imagens das câmeras de segurança, os brasileiros puderam entender um pouco mais do que aconteceu no Palácio do Planalto.

O general Gonçalves Dias inspecionando o Planalto
O general Gonçalves Dias inspecionando o Planalto
Foto: Reprodução Estadão / Reprodução Estadão

O chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Gonçalves Dias, caiu depois de uma reportagem da CNN que o mostrava interagindo com os golpistas. Com a liberação das imagens, o Estadão mostrou que a história não era muito aquela. O jornal construiu o passo a passo do ministro dentro do Palácio e o que se vê é um homem, com uma equipe muito pequena, tentando contornar danos. 

Já a Folha de S. Paulo se concentrou nas imagens de Lula, muito irritado, conferindo os estragos causados pelos bolsonaristas nas dependências do Palácio. Ele indica ao seu fotógrafo oficial locais que devem ser filmados. Outros vídeos mostram os ministros igualmente irritados. A Folha traz também imagens que mostram as falhas de segurança. 

Com o conjunto das imagens, fica muito difícil a sobrevivência da tese bolsonarista de que o governo foi complacente com os golpistas e que a esquerda colocou infiltrados para promover o quebra-quebra. Ainda assim, há as falhas de segurança que podem ser atribuídas ao governo, mas lembremos aqui que a gestão de Lula tinha apenas 8 dias e que a resposanbilidade do Distrito Federal e do ex-ministro da Justiça Anderson Torres está sob apuração.

É essa narrativa carregada de teorias da conspiração que fez com que o os bolsonaristas tocassem o bumbo no Congresso pela criação da CPMI do 8/1.

E foi o temor de que essas teorias ocupassem o debate político e encharcassem as redes sociais que fez com que o governo fosse contra a CPMI. A reportagem da CNN, com as imagens do general aparentemente silente com os golpistas, fez o governo mudar de ideia. 

A CPMI deve ser instalada ainda esta semana, com o apoio dos petistas. Mesmo que os governistas consigam o controle da comissão, como estão articulando nos bastidores, a oposição ainda terá muito espaço para gritar e fazer aquele teatro típico das oposições, levando para depor integrantes do governo. E não se trata de qualquer oposição: é um grupo político que sabe fazer barulho com qualquer coisa.

Se tivesse divulgado os vídeos antes que vazassem e não se rebelasse contra a Lei de Acesso à Informação, o governo poderia ter tomado a frente na narrativa e talvez tivesse poupado o general, que era um homem próximo de Lula. 

Mais que detergente, a luz do sol pode ser um excelente aliado para quem acha que está fazendo a coisa certa e nada tem a esconder. O governo Lula deveria saber disso.

Fonte: Tatiana Farah Tatiana Farah é jornalista de política há mais de 20 anos. É repórter da Agência Brasília Alta Frequência. Foi gerente de comunicação da Abraji, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Repórter do BuzzFeed News no Brasil de 2016 a 2020.  Responsável por levar os segredos do Wikileaks para O Globo, onde trabalhou por 11 anos. Passou pela Veja, Folha de S. Paulo e outras redações, além de assessorias de imprensa. As opiniões da colunista não representam a visão do Terra. 
Compartilhar
Publicidade
Publicidade