1 evento ao vivo

Bolsonaro diz que vai tentar anular a placa do Mercosul

Em live pelo Facebook, presidente Bolsonaro disse que placa não traz o município e é motivo de constrangimento para a população

15 mar 2019
12h20
  • separator
  • comentários

Durante a transmissão ao vivo que virou padrão às quintas-feiras pelo Facebook, o Presidente da República Jair Bolsonaro disse que irá acabar com a placa do Mercosul. "Vamos, com o nosso ministro Tarcísio [Freitas, de Infraestrutura], ver se a gente consegue anular essa placa do Mercosul. Porque não tem o município... não traz, no meu entender, benefício para o Brasil essa placa do Mercosul. É um constrangimento, uma despesa a mais", declarou o presidente Bolsonaro. "Estamos tentando uma maneira legal, acho que dá (sic) para encontrar, para acabar com essa placa do Mercosul também", completou Bolsonaro.

Jair Bolsonaro disse em  live no Facrbook que tentará acabar com a placa do Mercosul
Jair Bolsonaro disse em live no Facrbook que tentará acabar com a placa do Mercosul
Foto: Adriano Machado / Reuters

A placa do Mercosul é um "problema" que vem se arrastando por anos no caso do Brasil. Ela começou a valer, finalmente, no final de 2018, porém teve, em dezembro de 2018, uma nova prorrogação da data limite para implantação - agora é 30 de junho de 2019. Em novembro de 2018, uma resolução alterou a placa para retirar brasões de cidades e estados. Com a nova regra, o veículo manterá a mesma placa durante toda a vida útil, sem precisar alterar nada a cada mudança de cidade ou estado.

Polêmicas da placa Mercosul

A placa com padrão Mercosul foi presentada em 2014. A meta era que o novo sistema fosse adotado pelos países do bloco comercial (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela) em janeiro de 2016. Porém, em abril de 2015, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) postergou a adoção das placas para 1º de janeiro de 2017. Pelo novo cronograma, toda a frota registrada no Brasil deveria realizar a troca das atuais placas pelas novas até 31 de dezembro de 2020.

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade