PUBLICIDADE

Política

Bolsonaro diz que 'não é justo' associar reunião com embaixadores a 'ataque à democracia'

Ex-presidente se reuniu com deputados do PL em São Paulo na véspera de o TSE retomar julgamento que pode torná-lo inelegível por oito anos

26 jun 2023 - 13h02
(atualizado às 13h34)
Compartilhar
Exibir comentários
Bolsonaro diz que 'não é justo' associar reunião com embaixadores a 'ataque à democracia'
Bolsonaro diz que 'não é justo' associar reunião com embaixadores a 'ataque à democracia'
Foto: Reprodução

Sob o risco de ficar inelegível, o ex-presidente Jair Bolsonaro se reuniu com parlamentares federais e estaduais do PL na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) na manhã desta segunda-feira, 26, em São Paulo. Como mostrou o Estadão, o encontro integra roteiro de viagens que ex-presidente tem feito pelo País em uma tentativa de construir uma imagem de "perseguido". 

"É justo cassar os direitos políticos de alguém que se reuniu com embaixadores? Não é justo falar: atacou a democracia. Aperfeiçoamento, buscar, colocar camadas de proteção, isso é bom para a democracia.", afirmou o ex-presidente após a reunião do ex-presidente correligionários.

"Eu já fui multado, no meu CPF, em R$ 20 mil, por causa daquela reunião com embaixadores. O que não podemos aceitar passivamente no Brasil é que possíveis críticas ou sugestões de aperfeiçoamento no sistema eleitoral seja tido como um ataque à democracia", afirmou.

O ex-presidente também afirmou "não ser insubstituível", mas deu a entender que se mantém como personagem mais popular de seu partido. "Não existe ninguém insubstituível. Tem muita gente no momento muito mais competente do que eu, mas não tem o conhecimento nacional que eu tenho. Além de eu ter 28 anos de parlamento, 15 de exército brasileiro, eu tive 4 de presidente da república. E eu consegui graças a deus o carinho de uma parte considerável da população".

Nesta terça-feira, 27, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) retoma o julgamento que pode cassar por oito anos os direitos políticos de Bolsonaro. Ele é acusado de abuso de poder político, conduta vedada, desordem informacional e uso indevido dos meios de comunicação em uma ação que como pano de fundo uma reunião com embaixadores estrangeiros em julho de 2022 no Palácio da Alvorada. Na ocasião, ele atacou ministros do TSE e o pôs em xeque, sem apresentar provas, a lisura do processo eleitoral.

Nesta manhã, Bolsonaro entrou na Alesp acompanhado do deputado estadual Gil Diniz (Republicanos) e do presidente da Assembleia, André do Prado (PL). O ex-chefe da Secretaria de Comunicação Social (Secom) na gestão Bolsonaro Fábio Wajngarten também acompanhou o ex-presidente. Ele se reuniu com parlamentares em um auditório. No domingo, Bolsonaro almoçou com o presidente do PL Valdemar Costa Neto.

Nessa série de viagens - Bolsonaro esteve em Porto Alegre semana passada -, o ex-presidente busca ajudar Valdemar a aumentar o número de filiados do PL para disputar prefeituras em 2024. Em outra frente, Bolsonaro tenta se mostrar vivo em meio ao julgamento na Corte eleitoral.

Em São Paulo, o maior dilema do bolsonarismo está na Capital. O ex-ministro do meio Ambiente Ricardo Salles, que chegou a se colocar como candidato à Prefeitura, tem tido atritos com Valdemar.

Dentro do partido, uma frente defende que o bolsonarismo enverede por um caminho mais moderado, em um cabo de guerra com a ala mais radical da vertente ligada ao ex-presidente. Discute-se, por exemplo, até mesmo a tentativa de filiar o prefeito Ricardo Nunes (MDB). Também há possibilidade de o MDB ficar com a capital e abrir mão de outras disputas e abrir espaço para candidatos do PL.

Durante a reunião desta segunda,26, parte dos parlamentares continuou a resistir ao apoio do PL a Nunes. O ex-presidente evitou cravar quem será seu candidato na capital paulista. "Não quero entrar em detalhes de prefeitura. Tive uma conversa com ele [Nunes]. Da última reunião que tive com ele, um empresário falou: 'anuncie apoio ao Ricardo Nunes'. E o que eu falei naquele momento? Vamos ter que tomar muitas tubaínas juntos ainda".

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade