PUBLICIDADE

Bolsonaro concede medalhas a Michelle, ministros e aliados

Honraria leva o nome de Oswaldo Cruz, mas nenhum médico ou cientista com atuação na linha de frente no combate à pandemia foi lembrado

28 jul 2021 11h35
| atualizado às 12h06
ver comentários
Publicidade
O presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama, Michelle, em evento no Palácio do Planalto.
O presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama, Michelle, em evento no Palácio do Planalto.
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil - 16/12/2020 / Estadão

O presidente Jair Bolsonaro vai distribuir a Medalha de Mérito Oswaldo Cruz a 24 aliados do governo e pessoas próximas, incluindo sua esposa, a primeira-dama Michelle Bolsonaro. A homenagem está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira, 28.

Criada nos anos 1970, a honraria se destina a reconhecer esforços de autoridades e personalidades que, no âmbito das atividades científicas, educacionais, culturais e administrativas relacionadas com a higiene e a saúde pública, tenham contribuído, direta ou indiretamente, para o bem-estar físico e mental da população.

Não há nenhuma explicação sobre quais feitos teriam justificado a entrega da medalha à lista de autoridades escolhidas por Bolsonaro. Nenhum médico ou cientista com atuação na linha de frente no combate à pandemia de covid-19 foi lembrado na lista. A concessão da medalha é feita por decreto do Poder Executivo, mediante proposta do Ministério da Saúde.

Um recém-chegado ao governo também foi escolhido para receber a distinção. Trata-se do general da reserva Ridauto Lúcio Fernandes, que no último dia 7 assumiu a Diretoria de Logística do Ministério da Saúde. Ele substitui Roberto Ferreira Dias, que deixou o posto após ser acusado pelo PM Luiz Paulo Dominghetti Pereira de pedir propina para assinar contrato de compra da vacina Astrazeneca/Oxford.

Ao todo, 12 ministros vão receber a Medalha Oswaldo Cruz. São eles: Carlos Alberto França (Relações Exteriores); Fábio Faria (Comunicações); Flávia Arruda (Secretaria de Governo); Gilson Machado (Turismo); João Roma (Cidadania); Luiz Eduardo Ramos (Secretaria-Geral da Presidência); Milton Ribeiro (Educação); Paulo Guedes (Economia); Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional); Tarcísio de Freitas (Infraestrutura); Tereza Cristina (Agricultura); e Walter Braga Netto (Defesa).

Os presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), respectivamente, também foram agraciados com a honraria. Ambos são aliados do governo no Congresso. Lira é o responsável por decidir sobre o arquivamento ou a sequência de pedidos de impeachment contra Bolsonaro.

O presidente da Petrobras, general Joaquim Silva e Luna, também foi agraciado com a distinção.

A premiação divide-se em três categorias: ouro (11), prata (1) e bronze (4).

Outros membros do governo também estão entre os 'medalhistas'. Um deles é o chefe do gabinete pessoal da Presidência, Célio Faria Júnior, considerado 'braço direito' de Bolsonaro.

Rejeitado

Rejeitado pelo Senado em dezembro de 2020, o embaixador Fabio Mendes Marzano, indicado na ocasião por Bolsonaro para ocupar a posição de delegado permanente do Brasil nas Nações Unidas, em Genebra, também receberá a Medalha de Mérito Oswaldo Cruz.

Homem de confiança do ex-chanceler Ernesto Araújo, Marzano é secretário de Assuntos de Soberania Nacional e Cidadania, respondendo, por exemplo, por assuntos de defesa, Nações Unidas, direitos humanos, assistência consular e pela pauta ambiental, motivo de atritos diplomáticos e geopolíticos do governo.

Medalha ao médico

Duas semanas após ser internado com quadro de obstrução intestinal, o presidente Bolsonaro também vai condecorar com a Ordem do Mérito Médico o cirurgião gástrico Antônio Luiz de Macedo, seu médico particular, que o acompanha desde o episódio da facada, em 2018.

A mesma honraria também será dada ao presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres.

Estadão
Publicidade
Publicidade