1 evento ao vivo

Polícia investiga se sequestrador queria ser morto pela polícia

Fenômeno, comum nos EUA, ocorre quando pessoa com tendências suicidas cria situação para ser morta por policial

22 ago 2019
12h56
atualizado às 13h42
  • separator
  • 0
  • comentários

RIO - Uma das hipóteses investigadas para o sequestro do ônibus 2520, na Ponte Rio-Niterói, é a do chamado "suicídio pela polícia". O fenômeno, mais comum nos Estados Unidos, ocorre quando uma pessoa com tendências suicidas cria uma situação em que acaba sendo morta por um policial. Antes do sequestro, Willian Augusto da Silva tinha dito à mãe que queria morrer "pela mão dos outros".

Na madrugada anterior ao sequestro, enviou uma mensagem para os pais, avisando que ia acabar com a própria vida. Algumas horas depois, foi morto por um atirador de elite com seis tiros.

 Refém encobre o sequestrador ao descer do ônibus na ponte Rio-Niterói.
Refém encobre o sequestrador ao descer do ônibus na ponte Rio-Niterói.
Foto: Ricardo Cassiano / Agência O Dia / Estadão Conteúdo

A família contou que o jovem de 20 anos sofria de depressão e "ouvia vozes". Desde janeiro, quando teve um surto psicótico durante um churrasco, ele estava cada vez mais isolado, sempre na internet, calado e chegou a falar que queria morrer algumas vezes. Os parentes sabiam que havia algo errado, mas, contaram, não poderiam imaginar que ele estivesse planejando sequestrar um ônibus.

Para o sociólogo Ignácio Cano, do Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), a hipótese de suicídio pela polícia não pode ser afastada.

"Há casos na literatura em que a pessoa usa a polícia para cometer suicídio", contou Cano. "Veja bem, ele usou uma arma de brinquedo, parou o ônibus num lugar de onde era impossível fugir, disse para os passageiros que não ia machucar ninguém nem queria dinheiro e ainda ficou entrando e saindo do veículo o tempo todo, se expondo."

O próprio secretário de Polícia Civil, delegado Marcus Vinícius de Almeida Braga, em entrevista à TV Globo, chamou atenção para o estado mental de Willian.

"Precisamos ainda investigar, conversar com os familiares, ver as redes sociais dele", contou. "Há algum tempo ele vinha demonstrando uma certa depressão e as redes sociais potencializam essas doenças, as pessoas se sentem mais confortáveis para agir; é preciso ter muita atenção."

A polícia já está analisando um celular encontrado no ônibus sequestrado que seria o usado por Willian. Os agentes buscam pistas sobre a elaboração dos planos do sequestro. Embora tudo indique que ele tenha agido sozinho, existe a possibilidade de que ele tenha tido alguma ajuda. A polícia quer descobrir, por exemplo, que páginas da internet ele acessou nos dias que antecederam ao sequestro.

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade