PUBLICIDADE

PI: polícia investiga morte de garota após vazar vídeo íntimo na internet

14 nov 2013
19h41 atualizado às 22h02
0comentários
19h41 atualizado às 22h02
Publicidade
Júlia Rebeca foi encontrada enrolada no fio de uma chapinha no último dia 10 de novembro
Júlia Rebeca foi encontrada enrolada no fio de uma chapinha no último dia 10 de novembro
Foto: Instagram / Reprodução

A Polícia Civil do Piauí  investiga a morte de uma estudante de 17 anos que teria cometido suicídio após divulgação de vídeo intimo no Whatsapp. Júlia Rebeca, 17 anos, foi encontrada morta em seu quarto no município de Parnaíba, no Piauí, a 318 quilômetro da capital, Teresina. A família denunciou que a estudante teria se matado após ser espalhada uma gravação em que ela aparece fazendo sexo com duas pessoas - um rapaz e uma outra garota.

Júlia Rebeca foi encontrada enrolada no fio de uma chapinha no último dia 10 de novembro. Em mensagens deixadas suas páginas do Instagram e do Twitter, a estudante pede desculpas à família. "Eu te amo, desculpa eu n ser a filha perfeita mas eu tentei… desculpa desculpa eu te amo muito mãezinha.. desculpa desculpa…!! Guarda esse dia 10.11.13", escreveu.

Em seguida, ela deu sinais de que poderia cometer o suicídio. “É daqui a pouco que tudo acaba...E tô com medo mas acho que é tchau pra sempre.” Na tarde desta quinta-feira, a sua página do Instagram foi tirada do ar. A do Twitter permanecia.

Em mensagens deixadas suas páginas do Instagram e do Twitter, a estudante pede desculpas à família
Em mensagens deixadas suas páginas do Instagram e do Twitter, a estudante pede desculpas à família
Foto: Twitter / Reprodução

O delegado Regional de Parnaíba, Rodrigo Moreira, confirmou que abriu inquérito para apurar quem distribuiu o vídeo íntimo de Júlia. “Solicitamos perícia em celulares e estamos analisando todos as redes sociais que foram usadas para a divulgação do vídeo. Os culpados vão responder por crimes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente”, disse.

Segundo o delegado, familiares e amigos já foram ouvidos. Ele disse que as pessoas que aparecem na gravação podem também serem vítimas. “Pediremos informações também à direção da empresa Whatsapp”, disse o delegado.

A morte causou comoção na cidade de Parnaíba, litoral do Piauí, e foi um dos assuntos mais comentados na rede social entre os internautas do Estado.

Fonte: Especial para Terra
Publicidade
Publicidade