PUBLICIDADE

Moraes é eleito para novo biênio no TSE

1 jun 2022 - 15h21
Ver comentários

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes foi eleito nesta quarta-feira pelo pares para mais dois anos como magistrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), corte que a partir de agosto e durante o período das eleições presidenciais irá presidir.

O mandato do primeiro biênio de Moraes no TSE se encerraria nesta quinta-feira e, como é praxe, o Supremo fez uma votação para que ele ficasse até junho de 2024 na corte eleitoral.

O ministro recebeu 10 votos na abertura da sessão do STF -- o outro voto foi para Cármen Lúcia porque a tradição é de o indicado não votar em si mesmo. O presidente do Supremo, Luiz Fux, declarou-o reconduzido ao TSE.

"Presidente, só para agradecer novamente a confiança dos meus pares para poder iniciar esse segundo biênio sob a presidência do ministro Luiz Edson Fachin para que nós possamos continuar preparar as eleições do segundo semestre como sempre fez a Justiça Eleitoral, eleições tranquilas, limpas e transparentes e, como diz o nosso presidente do TSE, paz e segurança nas urnas e nas eleições", disse Moraes, em rápida declaração.

Moraes, que também conduz investigações sensíveis contra o presidente Jair Bolsonaro, é o principal alvo de ataques do presidente. Bolsonaro já o chamou de canalha e chegou a insinuar que poderia não cumprir uma ordem judicial dada por ele.

Bolsonaro levanta suspeitas frequentes e sem fundamentos contra o sistema eletrônico de votação e recentemente se recusou a responder se aceitaria uma eventual derrota no pleito de outubro, quando tentará a reeleição. Pesquisas eleitorais o colocam na segunda posição na preferência do eleitor, atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que, segundo alguns levantamentos têm apontado, pode vencer a disputa em primeiro turno.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade