PUBLICIDADE

Militares vão atuar de forma mais intensa no Mais Médicos

Ministro da Defesa, Fernando Azevedo, estará no comando das ações envolvendo os médicos militares no programa, segundo texto do DOU

16 jan 2019 08h54
| atualizado às 08h54
ver comentários
Publicidade

O Ministério da Defesa autorizou o emprego das Forças Armadas em apoio a parte logística do Programa Mais Médicos. A decisão, publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (16), vale para todo o território nacional e detalha a atuação do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, o vice-presidente Hamilton Mourão, o presidente Jair Bolsonaro, o tenente-brigadeiro do ar Nivaldo Luiz Rossato, o brigadeiro Antonio Carlos Moretti Bermudez (Aeronáutica) e o comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira, durante cerimônia em janeiro deste ano
O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, o vice-presidente Hamilton Mourão, o presidente Jair Bolsonaro, o tenente-brigadeiro do ar Nivaldo Luiz Rossato, o brigadeiro Antonio Carlos Moretti Bermudez (Aeronáutica) e o comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira, durante cerimônia em janeiro deste ano
Foto: DIDA SAMPAIO / Estadão

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, estará no comando das ações envolvendo os médicos militares no programa, de acordo com o texto publicado no Diário Oficial.

Na portaria publicada, na seção 1, página 19, os militares atuarão para a recepção, hospedagem, transporte e distribuição dos médicos intercambistas e supervisores nos municípios de atuação em apoio ao programa.

Haverá um oficial de cada Força para assumir a função de ligação entre os demais e assim trocar informações e definir ações.

De acordo com os coordenadores do programa, os militares participam do Mais Médicos na recepção dos integrantes do programa em aeroportos e no deslocamento aéreo para capitais e centros de capacitação.

O apoio logístico será feito de forma integrada com os ministérios da Saúde e da Educação e Casa Civil.

Veja também:

Top Agro: China passou a ser destino de 82% das exportações de soja do Brasil:

 

Agência Brasil Agência Brasil
Publicidade
Publicidade