1 evento ao vivo

Filho de Jango se disfarçou para descobrir verdade sobre morte do pai

João Vicente Goulart revela suspeitas envolvendo a morte do presidente deposto e de que agentes secretos teriam se infiltrado em sua casa como empregados

25 mai 2013
11h59
atualizado em 27/5/2013 às 15h44
  • separator
  • comentários

Desde o enterro do ex-presidente João Goulart, o Jango, no final de 1976, a família do presidente da República deposto pelo golpe militar de 1964 levanta suspeitas sobre sua morte, já que o caixão não pôde ser aberto “sob hipótese alguma” por ordem dos militares que acompanharam toda a cerimônia, segundo relata João Vicente Goulart, filho de Jango, em entrevista ao Terra. “A certidão de óbito não dizia nada com nada, apenas ‘Muerte por enfermedad’ (morte por doença) e, o mais grave de tudo, que não foi feita a autópsia dos restos mortais, nem na Argentina e, tampouco, em nosso País”, afirma.

<p>Documentos exclusivos do Arquivo Nacional mostram que Jango (marcado com o nº 3 na imagem) era vigiado pelos militares, inclusive em momentos privados, como durante a festa de aniversário em que comemorou 55 anos</p>
Documentos exclusivos do Arquivo Nacional mostram que Jango (marcado com o nº 3 na imagem) era vigiado pelos militares, inclusive em momentos privados, como durante a festa de aniversário em que comemorou 55 anos
Foto: Arquivo Público / Agência Brasil

Veja histórias de desaparecidos durante a ditadura militar

Recentemente, a Comissão Nacional da Verdade (CNV) acatou o pedido da família de Jango de exumar o corpo para investigar qual foi a verdadeira causa da morte. Para conseguir indícios fortes de que seu pai foi assassinado, João Vicente chegou a se disfarçar para conseguir arrancar a verdade do ex-agente do serviço secreto uruguaio Mario Neira, preso no Rio Grande do Sul, na entrevista concedida para um documentário produzido pela TV Senado, em 2006.

“(Ele) disse que a família não tinha motivos de interesse pelo acontecido... Nesse momento eu disse a ele: ‘olha, Mario, eu sou João Vicente, não sou repórter, e vim aqui para conhecer a verdade...’ Foi nesse momento que ele abriu o verbo sobre sua atuação na operação que havia culminado com a morte de meu pai”, diz, referindo-se a Operação Escorpião, montada para matar Jango.

A exumação ainda não tem data para acontecer, mas uma comissão com peritos brasileiros e estrangeiros está sendo montada, para atender as condições feitas pela família, para garantir a idoneidade do processo.

Confira os principais trechos da entrevista:

Terra - Desde quando a família pleiteava a possibilidade da exumação do corpo de João Goulart?
João Vicente Goulart -
  As suspeitas se remontam aos primeiros dias após a morte de Jango. Em seu enterro teve todo um aparato repressivo, soldados, seguranças à paisana, ordens e contra ordens que vieram até a derrubar o coronel Solon, então chefe da Polícia Federal em Uruguaiana, após autorizar a passagem do cortejo por terra (a ordem era que só entraria por avião direto a São Borja com proteção militar do aeroporto ao cemitério), a não autorização de abrir o caixão sob hipótese nenhuma, certidão de óbito que não dizia nada com nada, apenas “Muerte por enfermedad” e, o mais grave de tudo, que não foi feita a autópsia dos restos mortais, nem na Argentina e, tampouco, em nosso País. Era um ex-presidente da maior nação latino-americana, exilado, perseguido há 12 anos no exílio e tentando voltar ao Brasil para forçar uma anistia e abertura.

Além do depoimento do agente uruguaio, vocês tinham indícios de que a morte do presidente poderia ter sido provocada pela repressão?
O depoimento de Mario Neira só veio à tona em 2006. Fui a uma penitenciária de segurança máxima (Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas, no Rio Grande do Sul), pois foi feito um convênio entre o Instituto Presidente João Goulart e a TV Senado, para produzir o documentário Jango em 3 Atos. Eu fui disfarçado de jornalista com a equipe para tomar o depoimento de Mario Neira. Foi quando em certo momento ao dizer que sabia das circunstâncias da morte de Jango, pois havia participado da operação (Escorpião) que o vitimou, disse que a família não tinha  interesse pelo acontecido... Nesse momento eu disse a ele: “olha Mario, eu sou João Vicente, não sou repórter, e vim aqui para conhecer a verdade...” Foi nesse momento que ele abriu o verbo sobre sua atuação na operação que havia culminado com a morte de meu pai.

No exílio, como estava a saúde de Jango? Exigia cuidados ou os problemas de saúde estavam controlados?
Jango, no exílio, vivia imerso nas suas saudades do Brasil. Dizia que o exílio era uma invenção do demônio, pois matava a pessoa deixando-a viva a olhar dentro do desterro, à distância, a Pátria amada deixada para trás, dos familiares e dos amigos... Trouxe a ele também, junto as suas amarguras, as feridas no coração, um enfarte produzido pela distância e pela saudade de seu povo. Mas ele se cuidava, periodicamente ia à França fazer tratamento com seu cardiologista, professor Fremont, em Lyon. Estava com a saúde em dia, dentro dos cuidados que um cardiopata necessitava. Agora, permitam abrir aqui um parênteses sobre o que alguns “opinicionistas” de plantão falam a esse respeito. Dizem eles: “Jango era um cardiopata, fumava, bebia, pelo que, é claro, morreu de enfarte”. Só por que era portador de uma enfermidade, não pode ter sido alvo de um assassinato? Das 40 mil vítimas do terrorismo de Estado praticado pelas ditaduras latino-americanas vocês acham que todos eram atletas de saúde impecável? Ninguém desse contingente será que tinha uma doença pré-existente? Nosso grande poeta Neruda tinha câncer na próstata quando foi conduzido sob escolta a uma clínica, após o golpe, e eliminado em circunstâncias a serem investigadas, exumado recentemente. O ex-presidente Frei Montalva, estava em um hospital para uma cirurgia simples, de uma doença pré-existente, quando foi transferido de andar no hospital, trocaram os médicos, proibiram visitas e, uma semana depois, morreu de uma gravíssima infecção. Exumado e comprovado o seu envenenamento por agentes estranhos. Hoje, a investigação conduz a pegadas brasileiras: o composto teria sido produzido no Instituto Butantã. Ora, convenhamos, esse tipo de afirmação de que pessoas com patologias pré-existentes não podem ser vítimas de atentados é história para boi dormir, como dizemos no Rio Grande do Sul.

No exílio, seus pais haviam relatado desconfiança ou medo de estarem sendo espionados pelos militares? 
Sim, sem dúvidas sabiam desse monitoramento. Em Montevidéu, onde fomos exilados, aconteceu o laboratório da maior vergonha ocorrida no nosso diplomático Itamaraty. Lá, através da criação do Ciex (Centro de Informações do Exterior), invenção perversa de nada menos que Manoel Pio Correa, embaixador que atuava no Uruguai monitorando os exilados brasileiros, a diplomacia brasileira foi transformada em um centro de colaboração com a ditadura, que depois veio a fazer parte da Operação Condor, que trocava pessoas para morrerem nos países de origem sem extradição, sem Justiça, sem nada. Em nossa casa havia empregadas do SNI (Serviço Nacional de Informações), agente “B” da ditadura brasileira, que subtraía documentos de forma clandestina (hoje comprovado pelos documentos desclassificados em poder do Instituto João Goulart) e que se subtraíam esses papéis da gaveta do quarto de meu pai. Tranquilamente poderiam ter substituído um comprimido do coração por um comprimido de cianeto de potássio, não poderiam?

Quando vocês tiveram acesso a informações que deixaram evidente a hipótese de envenenamento? Existem documentos que indicariam que isso aconteceu?
As informações não param de chegar... As evidências vêm sendo liberadas e dão veracidade às suspeitas após o depoimento do agente uruguaio. Por que não houve autópsia, por que não deixaram abrir o caixão, por que o agente “B” estava dentro do nosso apartamento subtraindo documentos, por que Kissinger (Henry Kissinger, diplomata americano), através de telegrama, enviado da África, dava instruções precisas ao seu embaixador (Harry) Schlauderman de que o Departamento de Estado Americano tinha conhecimento das operações de assassinatos seletivos envolvendo o Brasil, Uruguai e Argentina, e que tinha ordenado a ele (embaixador) que não se metesse nesses assuntos, deixando acontecer. São inúmeros os documentos que fornecem indícios. É lamentável que vários deles ainda estejam  tarjados de preto escondendo nomes , principalmente de agentes do Estado brasileiro.

Quem teria sido a pessoa que ordenou a morte de Jango no exílio?
O relato do agente, é claro. Houve uma reunião em Montevidéu, em princípios de agosto de 1976, na Jefatura General de La Policía, no porão do edifício situado nas ruas San José y Yí, onde estariam presentes o general (Luis Vicente) Queirolo, chefe da inteligência das forças armadas uruguaias, Frederick Latrash, chefe da CIA no Uruguai, Carlos Milles, médico patologista do Uruguai e colaborador do serviço secreto uruguaio, que detinha o codinome Capitán Adonis, e o delegado Sergio Paranhos Fleury, já conhecido no Uruguai por suas incursões em Montevidéu anos antes, para monitorar os movimentos dos brasileiros que colaboravam com o MLN Tupamaros nas eleições. Fleury, portanto foi quem teria levado a ordem para que a operação de monitoramento exercida sobre Jango (chamada de La Gaviota) se transformasse na eliminação física do ex-presidente, através da Operação Escorpião.

João Vicente Goulart se disfarçou para conseguir ouvir depoimento de agente secreto uruguaio
João Vicente Goulart se disfarçou para conseguir ouvir depoimento de agente secreto uruguaio
Foto: Elza Fiúza / Agência Brasil
Como foi a vida da família após deixar o Brasil? Quais eram os planos dos filhos e de Jango para quando voltassem?
No começo foi muito tranquilo. O Uruguai, para onde rumamos no começo, tinha uma tradição democrática enorme, não tinha tradição golpista há muito tempo. Começamos a viver uma vida normal no âmbito familiar. Os uruguaios tinham orgulho de terem recebido Jango, “El presidente democrático Del Brasil”. O que se supunha em 1964 é que, o golpe no Brasil era transitório, como em outras quarteladas acontecidas na história republicana de nosso País. Mas as contrário do que se supunha, foi um golpe planejado, executado milimetricamente com orientação do Departamento de Estado Americano, que, pelo Brasil, começaria o planejamento para derrubada da democracia em todos os países latino-americanos, e é exatamente na década posterior que nenhum país da América do Sul tem governos democráticos; todos são ditaduras impostas! É aí, então, que a coisa mudou de figura para aqueles exilados que lutavam pelo retorno do Estado de Direito, da liberdade, e pela democracia. Na verdade, o exílio é uma luta constante para o retorno à Pátria, mas o retorno para aqueles lutadores não era somente atravessar a fronteira para submeter-se ao regime que os havia deposto, era a volta para a reconquista da liberdade e da justiça social, o não entreguismo das instituições aos interesses internacionais. Por isso representavam perigo para os ditadores. Não eram apenas homens, eram transportadores de ideais libertários e democráticos.

Essa investigação que está sendo feita pela Comissão Nacional da Verdade tráz, ao menos, algum tipo de conforto para a família por investigar o que realmente possa ter acontecido?
Para nós, que, do exílio, nos acostumamos a esperar, é um primeiro grande passo. Depois de seis anos em que o Instituto Presidente João Goulart entrou com o pedido de abertura de ação civil pública para que o Estado brasileiro investigasse a morte de seu ex-presidente, é um primeiro grande passo, ou seja, o Estado concordou; tardiamente ou não, não vem ao caso. Devemos fazer o dever de casa para que outros não venham a fazer nossas obrigações. É uma obrigação da família, que tem lutado, em uma desproporcionalidade gigantesca, no que tange os meios de investigação. Como por exemplo, os pedidos de oitivas de agentes americanos, como Michael Townley, que vive sob a proteção de testemunhas do governo americano (apesar de ter detonado uma bomba nas avenidas de Washington, produzindo o primeiro ato terrorista antes do 11 de Setembro, matando o ex-chanceler chileno Letellier), Frederick Latrash e outros. Sabemos que só um juiz pode fazer esse pedido com uma petição especial através do governo brasileiro pelo Itamaraty, pois só ele teria essa prerrogativa. Estamos esperando. Na verdade, não existe conforto enquanto existam dúvidas a respeito da morte de nosso pai, por parte da família; a respeito da morte do presidente constitucional derrubado pelo golpe, entendo ser uma questão de Estado, e aí a vontade é política do governo, que determina a ato de fazer.

Por que a família fez essa exigência da participação de peritos de fora na exumação de Jango? Existe o medo de que alguém possa influenciar nos resultados, ou é por uma questão de conhecimento técnico e tecnologia?
É uma preocupação de mostrar à sociedade brasileira, que acompanha o caso, em outorgarmos nesse procedimento a maior transparência possível. Já temos outros exemplos nada confiáveis em nosso País, quando nos referimos a peritos individuais contratados para um caso específico, Alagoas, São Paulo etc. Quando se trata de uma ação supostamente executada pela Operação Condor, por uma ação em conjunto com a “cooperativa do terror”, que havia se instalado na época, e que teria sido executada pelos serviços secretos de trás das cortinas de três ditaduras, é lógico que os peritos desses países, que também investigam o mesmo caso, sejam convidados a participar dessa investigação. Até por que Jango morreu na Argentina, e nós não queremos, amanhã ou depois, passar novamente por essa dor ao receber outro pedido de exumação da Argentina por não ter participado. E melhor ainda, termos três ou quatro laudos independentes dando mais credibilidade e independência à investigação, nos trará mais certeza na credibilidade e sucesso técnico na divulgação desses resultados.

Existem preocupações da família sobre a saúde da dona Maria Teresa com a exumação?
Ela sofreu demais durante todos estes anos, mas é uma lutadora incontestável. Depois de tanto sofrimento, ela quer passar por isso mais uma vez, mostrando sua têmpera diante do seu destino... estar mais uma vez ao lado de Jango e da história deste País.

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade