PUBLICIDADE

Comissão da Câmara rejeita voto impresso e impõe derrota

Por 23 votos a 11, o colegiado decidiu se posicionar contrariamente ao parecer do relator Filipe Barros

5 ago 2021 21h05
| atualizado às 21h11
ver comentários
Publicidade
22/10/2018
REUTERS/Rodolfo Buhrer
22/10/2018 REUTERS/Rodolfo Buhrer
Foto: Reuters

A comissão especial da Câmara dos Deputados rejeitou na noite desta quinta-feira, 5, proposta para adoção do voto impresso pelas urnas eletrônicas, em uma importante derrota para o presidente Jair Bolsonaro.

Por 23 votos a 11, o colegiado decidiu se posicionar contrariamente ao parecer do relator Filipe Barros (PSL-PR), mesmo ele tendo apresentado na véspera um substitutivo com alterações à proposta a fim de angariar apoio.

Um acordo para acelerar a votação da proposta foi acertado por dirigentes partidários em meio à escalada da tensão entre Bolsonaro e a cúpula do Poder Judiciário, em especial o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), sobre o voto impresso.

Sob ameaças de não haver eleições, Bolsonaro acusou o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, de interferir nas discussões da Câmara para evitar a aprovação da proposta.

Bolsonaro tem alegado - sem mostrar qualquer tipo de prova - que o atual sistema de votação é passível de fraude e feito ameaças de que poderia não aceitar o resultado do pleito no próximo ano sem a alteração.

O movimento de Bolsonaro ocorre em meio à queda de popularidade e apoio em pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial de 2022.

Apesar da rejeição pela comissão, mais cedo o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que a proposta de adoção do voto impresso poderia ser votada pelo plenário da Casa mesmo se fosse rejeitada pelo colegiado. "As comissões especiais não são terminativas, são opinativas, então sugerem o texto, mas qualquer recurso ao plenário pode ser feito", pontuou.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade