PUBLICIDADE

Veja o que se sabe e o que falta saber sobre a morte do PM e da filha dele em SP

PM estava de folga, e estava acompanhado da filha. Ele tentou intervir em uma tentativa de assalto, e tanto ele quanto ela foram baleados

25 fev 2024 - 13h11
(atualizado às 14h23)
Compartilhar
Exibir comentários
Anderson de Oliveira Valentin, e sua filha, Alycia Perroni Valentim, foram mortos a tiros em SP
Anderson de Oliveira Valentin, e sua filha, Alycia Perroni Valentim, foram mortos a tiros em SP
Foto: Reprodução/TV Record

A morte de um policial militar e sua filha, de 19 anos, em uma tentativa de assalto a uma farmácia na Zona Norte de São Paulo, na madrugada de sábado, 24, é investigada pela Polícia Civil. Anderson de Oliveira Valentin, que estava de folga, e Alycia Perroni Valentim, foram baleados na troca de tiros. 

Até o momento, não há informações sobre prisões de suspeitos. Ambos foram sepultados na manhã deste domingo, no Cemitério São Pedro, Vila Alpina. O cabo Valentim era lotado na 3ª Cia do 7º BPM/M, na Capital paulista. 

Como foi o crime

O caso teria ocorrido por volta das 5h do sábado. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o cabo estava dentro de seu carro, no estacionamento de uma farmácia, na Avenida Nossa Senhora do Loreto, Vila Medeiros. O policial estava acompanhado de sua filha, Alycia, quando percebeu a chegada de três supostos criminosos, que tentariam assaltar o estabelecimento. 

Troca de tiros

Pelas imagens das câmeras de monitoramento da farmácia, é possível ver o trio na aproximando da entrada, e em dado momento, o policial sai de dentro do carro e aponta a arma para os suspeitos. Em seguida, ocorre a troca de tiros. Ele e sua filha foram atingidos por disparos e socorridos pouco depois, mas não resistiram. 

Quem são os criminosos

Logo após o crime, os bandidos fugiram do local em um veículo, que foi encontrado horas depois, pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Informações a respeito da identificação e paradeiro do trio ainda não foram divulgadas. 

Sem prisões

Até a noite do sábado, 24, não houve nenhuma prisão de suspeitos de envolvimento no crime. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade