PUBLICIDADE

Sobe para 29 o número de mortos na favela do Jacarezinho

Dois dias depois, matança da última quinta-feira ainda tem contagem de corpos

8 mai 2021 12h39
| atualizado às 20h57
ver comentários
Publicidade

O número de mortos na operação policial da última quinta-feira, 6, no Jacarezinho, favela da zona norte do Rio, subiu para 29. A Polícia Civil confirmou neste sábado, 8, que mais um corpo foi encontrado. A corporação alega que, tirando o agente André Frias, todos os demais eram "criminosos", apesar de poucas informações sobre as vítimas terem sido reveladas até agora.

Manifestantes participam de protesto em entrada do Jacarezinho após mortes em operação policial
7/5/2021 REUTERS/Ricardo Moraes
Manifestantes participam de protesto em entrada do Jacarezinho após mortes em operação policial 7/5/2021 REUTERS/Ricardo Moraes
Foto: Reuters

Tocada para cumprir mandados contra pessoas ligadas ao tráfico, a incursão, na prática, resultou em pouco resultado efetivo e muitas mortes. Em alguns casos, segundo representantes da Defensoria Pública e de moradores, há indícios de mortos sem confronto ou que já estavam feridos e rendidos. Defensores falam em "execução" e classificam o episódio como uma chacina.

Também causou estranheza o fato de a maioria dos óbitos ter acontecido depois que o policial Frias foi morto. Observadores levantaram a hipótese de "vingança" por parte dos agentes - o que a corporação nega.

A operação é alvo de investigação do Ministério Público do Rio. No âmbito penal, a Promotoria apura se houve abusos da polícia. Para isso, conta com informações que chegaram aos canais de denúncia do órgão e com o que promotores viram e ouviram no local no dia da matança.

"Os promotores de Justiça integrantes da Coordenadoria-Geral de Segurança Pública, do GTT - Segurança Pública e da Coordenadoria-Geral de Promoção da Dignidade da Pessoa Humana estão acolhendo relatos e demais elementos de prova, para subsidiar as investigações", disse o MP.

"Dentre esses elementos, foram recebidas comunicações de cidadãos, instituições, associações e coletivos, trazendo relatos, imagens e vídeos da operação, que foram imediatamente levados ao conhecimento da 1ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Especializada da Capital, responsável pelo procedimento investigatório."

Além disso, o órgão enviou um perito próprio para acompanhar os trabalhos do Instituto Médico Legal (IML), onde estão os corpos. A instituição é vinculada à própria Polícia Civil.

Estadão
Publicidade
Publicidade