0

PT vai ao MP contra Doria por propaganda com informação falsa

Vídeo de R$ 120 mil informava que o governo teria retomado 'todas' as obras paradas de mobilidade; Linha 6 e Rodoanel ainda estão paralisadas

2 jan 2020
18h02
atualizado às 18h48
  • separator
  • 0
  • comentários

O deputado estadual Paulo Fiorilo (PT) prepara uma representação contra o governo de São Paulo no Ministério Público por causa da veiculação de propaganda oficial com informação incorreta a respeito da retomada de obras paradas em 2019.

João Doria, governador de São Paulo.
João Doria, governador de São Paulo.
Foto: Roberto Casimiro / Foto Arena / Estadão Conteúdo

Como revelou o Estadão, a gestão Doria veiculou durante o mês de dezembro uma peça que informava que todas as obras de mobilidade que estavam paradas teriam sido retomadas. Não é verdade. Obras importantes como a construção da Linha 6 - Laranja do Metrô e a conclusão do trecho norte do Rodoanel Mario Covas continuam paralisadas. Após os questionamentos do Estadão, a propaganda foi excluída do canal oficial do governo no YouTube e substituída por uma versão sem a palavra "todas".

"A propaganda é mentirosa e usa dinheiro público. É preciso que se avalie o custo do Estado para produzir esta informação e divulgar mentiras", diz o deputado. "O governo Doria tem se caracterizado por divulgar coisas que não se realizam, para usar a propaganda de forma incorreta."

O governo paulista informou ao Estadão que a produção do vídeo de 30 segundos custou R$ 120 mil e que a veiculação em rádio e mídias digitais foi interrompida após os questionamentos da reportagem. "O governo de São Paulo, tão logo constatou que a sentença dava margem a dupla interpretação, determinou a correção à agência responsável pela produção do filme, que imediatamente cumpriu a medida", disse a gestão de Doria.

Além do metrô e do Rodoanel, o deputado petista também cita as obras do contorno da Rodovia dos Tamoios, suspensas desde 2018. Em dezembro do ano passado, o secretário de Logística e Transportes do Estado, João Octaviano Machado Neto, afirmou em evento em São Sebastião que a obra seria retomada apenas em 2020 e que o trabalho em 2019 consistiu em "reestruturação e revisão do projeto", como noticiou a imprensa local.

"Em janeiro de 2019, o governo de São Paulo encontrou 175 obras paralisadas em todo o Estado e déficit superior a R$ 10,5 bilhões. É dever do Poder Público prestar contas sobre os avanços em áreas essenciais como mobilidade urbana, cujo cenário era de total paralisação", informou o governo, em nota.

Leia abaixo a íntegra do posicionamento do governo de São Paulo:

"É fato que de todas as cinco novas estações entregues e citadas no comercial, quatro são referentes a obras retomadas na Linha 15-Prata. A frase originalmente veiculada foi escrita nesse contexto.

O governo de São Paulo, tão logo constatou que a sentença dava margem a dupla interpretação, determinou a correção à agência responsável pela produção do filme, que imediatamente cumpriu a medida.

A versão ajustada está disponível no canal oficial do governo de São Paulo no YouTube.

A peça foi veiculada em rádios e mídia digital e custou R$ 120 mil. O período de veiculação foi encerrado conforme programado.

Em janeiro de 2019, o governo de São Paulo encontrou 175 obras paralisadas em todo o Estado e déficit superior a R$ 10,5 bilhões. É dever do Poder Público prestar contas sobre os avanços em áreas essenciais como mobilidade urbana, cujo cenário era de total paralisação como noticiado pelo próprio Estadão.

Veja também:

Saiba tudo sobre Frozen 2, que estreia hoje no Brasil

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade