3 eventos ao vivo

Prisões de manifestantes geram novo protesto em DP no Rio

10 jun 2013
23h24
atualizado em 11/6/2013 às 09h53
  • separator
  • 0
  • comentários

Um grupo de manifestantes se reuniu em frente à 5ª Delegacia de Polícia (Mem de Sá) na noite desta segunda-feira para protestar contra a prisão de pessoas que participaram de uma manifestação contra o aumento da tarifa do transporte público no Rio de Janeiro na noite de hoje.

Um grupo de manifestantes se reuniu em frente à 5ª Delegacia de Polícia para protestar contra a prisão de pessoas que participaram de uma manifestação contra o aumento da tarifa do transporte público no Rio de Janeiro
Um grupo de manifestantes se reuniu em frente à 5ª Delegacia de Polícia para protestar contra a prisão de pessoas que participaram de uma manifestação contra o aumento da tarifa do transporte público no Rio de Janeiro
Foto: Armando Paiva / Divulgação

Veja o quanto se paga em tarifas de ônibus nas capitais brasileiras

Por conta dos protestos, 31 pessoas foram presas. Dos detidos, sete são adolescentes. Do total de presos, apenas um permanecerá na delegacia, acusado de dano ao patrimônio público. O delegado Antônio Bonfim disse que ele só será liberado mediante pagamento de fiança.

Todos os detidos foram levados para a 5ª Delegacia Policial. André Barros, representante da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que estava deixando o fórum na hora da manifestação, foi até a delegacia protestar pela forma violenta como a polícia agiu, a seu ver.

"A polícia de forma muito truculenta atacou os manifestantes com bomba de gás lacrimogêneo, balas de borracha e aquelas pessoas se dispersaram, perderam o controle e o centro da cidade se transformou em uma praça de lutas. Agora, o que me deixou estarrecido é a polícia ter feito isso em frente ao fórum e atacou pessoas que não estavam na manifestação".

Barros disse que a ação correta da Polícia Militar deveria ser acompanhar o movimento social para proteger as pessoas e é o que está previsto na Constituição Federal que diz "que todos podem reunir-se pacificamente sem armas em locais abertos ao público, independentemente de autorização".

Em nota, a Polícia Militar afirmou que “foi necessária a utilização de bombas de efeitos moral para garantir o direito de ir e vir da população e para conter atos de vandalismo durante o protesto”. 

Protestos tumultuam o trânsito no centro da cidade
Manifestantes se reuniram mais uma vez nesta segunda-feira para protestar contra o aumento da passagem do transporte público no Rio de Janeiro. Este é o terceiro protesto em uma semana contra o reajuste na tarifa. 

Segundo o Centro de Operações Rio, o grupo interditou incialmente a avenida Rio Branco, na altura da Cinelândia, por volta das 18h, e seguiu pela rua Araújo Porto Alegre. 

Por volta das 18h20, os manifestantes interromperam o trânsito na avenida Presidente Antônio Carlos e, meia hora depois, ocuparam a pista central da avenida Presidente Vargas, sentido praça da Bandeira, na altura da avenida Rio Branco.

De acordo com a Central, por conta do protesto, o trânsito ficou lento nos dois sentidos da avenida Presidente Vargas.

Equipes da Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio de Janeiro (CET-Rio) e da Guarda Municipal atuaram no trecho para tentar desafogar o trânsito no local. Às 19h, o tráfego sentido Candelária da Presidente Vargas foi liberado, mas o trânsito continuava lento.

Outros protestos
Na última quinta-feira, manifestantes realizaram protesto próximo à Central do Brasil. Outra manifestação ocorreu na última segunda-feira, em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, também no centro da cidade.  

Com informações da Agência Brasil

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade