PUBLICIDADE

Criança morre eletrocutada no Rio; parque não tinha alvará

Samuel Goulart Freire dos Santos, de 6 anos, foi atingido por uma descarga elétrica no brinquedo em que estava

9 nov 2015 14h47
| atualizado às 14h48
ver comentários
Publicidade
Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil

O Looping Parque, localizado no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, onde duas crianças foram eletrocutadas na noite desse domingo (8), operava há duas semanas no local sem alvará de funcionamento da prefeitura. A informação é da Secretaria Municipal de Ordem Pública. Samuel Goulart Freire dos Santos, de 6 anos, morreu e outra criança, de 8 anos, ficou ferida depois de serem atingidas por uma descarga elétrica no brinquedo em que estavam.

Siga Terra Notícias no Twitter

Segundo o Corpo de Bombeiros, o parque sequer fez pedido de adequação para o estabelecimento, procedimento prévio necessário para a obtenção do alvará. O advogado Hugo dos Santos Novais, que representa o parque, classificou o incidente como uma fatalidade, e explicou o motivo de o estabelecimento não ter entrado com pedido de adequação.

“O parque tinha documentos que atestavam o bom funcionamento do local. Então, isso ter acontecido foi uma fatalidade, sem dúvida. Até por isso, eles [representantes do parque] estão prestando todo tipo de apoio aos familiares. Quanto ao pedido, o Looping ainda não tinha feito por não ter conseguido juntar todos os documentos necessários à ação”, explicou.

A Polícia Civil informou que um inquérito foi instaurado para apurar as circunstâncias da morte do menino Samuel. A perícia está sendo feita e a unidade aguarda laudo do Instituto Médico-Legal. Parentes, funcionários e responsáveis pelo parque estão sendo intimados a depor, enquanto agentes fazem diligências em busca de informações que ajudem nas investigações.

Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil
Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil
Agência Brasil Agência Brasil
Publicidade
Publicidade