5 eventos ao vivo

Cobrança de pedágio na Linha Amarela será retomada na sexta

Prefeitura rompeu unilateralmente o contrato e destruiu estruturas da praça de pedágio no domingo; liminar suspendeu a destruição e garantiu a retomada da cobrança, que voltará a partir de 1º de novembro

29 out 2019
12h29
atualizado às 12h58
  • separator
  • 0
  • comentários

A Linha Amarela S/A (Lamsa) informou no fim da manhã desta terça-feira, 29, que retomará a cobrança do pedágio na via expressa do Rio de Janeiro a partir da meia-noite do dia primeiro de novembro, sexta-feira. Na madrugada desta terça, uma equipe de cem operários da concessionária já estava no local, reconstruindo as cabines de pedágio, catracas e câmeras de segurança destruídas na véspera pela prefeitura.

Inicialmente, a previsão da empresa era de que a retomada do pedágio só ocorreria em 30 dias. De acordo com nota oficial divulgada, essa previsão foi feita com base no "cenário de destruição encontrado logo depois da depredação feita pela prefeitura".

 Câmeras de monitoramento quebradas na praça do pedágio da linha expressa Linha Amarela, na manhã de segunda- feira, 28 de outubro de 2019. Por ordem do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, trabalhadores a serviço da prefeitura destruíram as cancelas de cobrança de pedágio na via expressa entre as zonas norte e oeste da capital fluminense operada pela concessionária privada Lamsa.
Câmeras de monitoramento quebradas na praça do pedágio da linha expressa Linha Amarela, na manhã de segunda- feira, 28 de outubro de 2019. Por ordem do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, trabalhadores a serviço da prefeitura destruíram as cancelas de cobrança de pedágio na via expressa entre as zonas norte e oeste da capital fluminense operada pela concessionária privada Lamsa.
Foto: Wilton Junior / Estadão

Na última sexta-feira, em publicação no Diário Oficial, a prefeitura rompeu unilateralmente o contrato com a concessionária. Na noite de domingo, equipes da prefeitura estiveram na Linha Amarela e destruíram as estruturas da praça de pedágio.

Na manhã de segunda-feira, a Lamsa conseguiu uma liminar que suspendia a destruição e garantia a retomada da cobrança do pedágio. A liminar estabeleceu ainda uma multa de R$ 100 mil a ser paga pela prefeitura à concessionária por cada dia sem cobrança de pedágio. A prefeitura prometeu recorrer.

"Os reparos deverão estar concluídos até o fim de semana, com substituição dos aparelhos danificados", informou a nota. "O trabalho conjunto do grupo multidisciplinar conta com engenheiros, analistas de tecnologia, técnicos de manutenção e segurança. O trabalho tem sido realizado em escala pelos colaboradores, ininterruptamente, 24 horas por dia."

Veja mais:

Globo critica Crivella por censura, mas veta beijo gay

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade