PUBLICIDADE

Bolsonaro indica Roberto Campos Neto para o Banco Central

15 nov 2018 17h24
| atualizado às 17h52
ver comentários
Publicidade

Neto de ex-ministro do Planejamento durante ditadura militar, economista trabalha atualmente no Santander. Seu nome surgiu após atual presidente do BC, Ilan Goldfajn, confirmar que deixará o cargo.O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) indicou nesta quinta-feira (15/11) o economista Roberto Campos Neto para comandar o Banco Central (BC). O convite partiu de Paulo Guedes, futuro ministro da Economia.

Equipe econômica de Bolsonaro conta ainda com Paulo Guedes e Joaquim Levy
Equipe econômica de Bolsonaro conta ainda com Paulo Guedes e Joaquim Levy
Foto: DW / Deutsche Welle

Atualmente, Campos Neto, de 49 anos, é executivo do banco Santader, responsável pela tesouraria. Ele estudou economia na Universidade da Califórnia, Estados Unidos, e já trabalhou no banco Bonzano Simonsen e na gestora de fundos Claritas.

Neto do ex-ministro do Planejamento Roberto Campos, que comandou a pasta entre 1964 e 1967, durante a ditadura militar, o indicado é próximo de Guedes e já era cotado para o cargo. Seu nome surgiu após o atual presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, confirmar que deixará a instituição no fim do ano.

A indicação de Campos Neto precisa, porém, ser aprovada pelo plenário do Senado, após uma sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) da Casa.

O Congresso debate atualmente um projeto de independência do Banco Central, que é hoje uma autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda. A proposta de autonomia é defendida tanto por Goldfajn quanto por Guedes.

Defensores do projeto argumentam que a autonomia diminuiria a possibilidade de ingerência política da instituição, principalmente, sobre as decisões relacionadas à taxa básica anual de juros, a Selic, e na supervisão do sistema financeiro.

A principal função do Banco Central atualmente é controlar a inflação. O banco também monitora a interferência de empresas nos mercados de capital e financeiro e fiscaliza instituições financeiras. O BC é ainda responsável pela política cambial, executadas através de intervenções no mercado.

A proposta de autonomia prevê mandatos fixos para presidentes e diretores do Banco Central.

A equipe econômica de Bolsonaro anunciou também que o atual secretário do Tesouro, Mansueto de Almeida, continuará no cargo.

Além dos dois indicados desta quinta-feira, a equipe econômica de Guedes conta ainda com o ex-ministro de Dilma Rousseff Joaquim Levy no comando do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

CN/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube

| WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
Publicidade
Publicidade