6 eventos ao vivo

'Bancada da bala' defende segurança como pauta prioritária do governo

Frente da Segurança Pública reage ao adiamento da análise do pacote anticrime de Sergio Moro

20 mar 2019
12h44
  • separator
  • comentários

BRASÍLIA - Com 304 parlamentares, a Frente da Segurança Pública, chamada também de 'bancada da bala', fez hoje uma defesa enfática para que sua temática tenha prioridade nas discussões do Congresso. O posicionamento é um contra-ataque ao adiamento da análise do pacote de medidas do ministro da Justiça, Sergio Moro, que foi postergado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Maia adiou a tramitação do projeto para que ele não atrapalhe a discussão da Nova Previdência.

A defesa da segurança como prioridade - diferentemente da economia como afirma boa parte do governo - foi colocada inclusive pelo filho do presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). "Esse é o momento propício para que o projeto vencedor das urnas seja colocado em prática", disse ele falando sobre questões de segurança, como redução da maioridade penal, sistema carcerário e estatuto do desarmamento.

"Não tenho dúvida de que essa Casa pode contribuir muito (com a segurança pública)", disse Flávio. Ele afirmou ainda que essa é a legislatura que "tem a oportunidade de fazer o que a população espera". "Vamos tratar bandido como bandido e policial com respeito", disse.

O presidente da frente, Capitão Augusto (PR-SP), afirmou que o grupo tem como "missão aprovar o pacote de Moro". Augusto é também presidente da Comissão Permanente sobre Segurança Pública na Câmara. "Entendemos a prioridade do governo, mas os membros aqui sabem que nossa bandeira sempre foi segurança pública e combate à corrupção", disse. "Temos de convencer os presidentes de que nossa reforma não pode ser preterida", completou.

Ele disse que Maia "sabe ouvir" e que os projetos, segurança e previdência, podem tramitar conjuntamente sem problema. Para ele, deixar para o próximo ano, com eleições municipais, pode ser prejudicial.

O ministro da Justiça, Sergio Moro, quer pedir celeridade ao seu projeto. "Vou conversar respeitosamente com o presidente da Casa (Rodrigo Maia, DEM-RJ)". O senador Major Olímpio (PSL-SP) também defendeu a pauta da segurança como a que mais "empolga" a população.

Augusto disse que vai se reunir ainda hoje com Maia para pedir prioridade ao projeto de segurança pública. A deputada Carla Zambelli (PSL-SP), que faz parte do grupo criado para analisar as medidas de Moro, disse que conversou com o presidente da Câmara ontem e que ele teria concordado em reduzir o prazo de 90 dias, para o grupo analisar a proposta, para 45.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade