0

Análise: Em vídeo, Bolsonaro cobra defesa do governo; Moro cruza os braços

Fica evidente na fala do presidente a questão da troca da 'Segurança' do Rio de Janeiro

23 mai 2020
05h10
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Trechos do vídeo foram suprimidos por determinação judicial. Importante seria assistir na íntegra e sem cortes. O fato primordial é que na fala de Bolsonaro fica evidente a questão da troca da "Segurança" do Rio de Janeiro, que, para Moro diz respeito à intervenção política na Polícia Federal; e, ao contrário, Bolsonaro quer fazer crer que se referia à sua segurança pessoal, que é incumbência do Gabinete de Segurança Institucional.

Ademais, uma reunião em que muitos palavrões foram ditos e, some-se a isso, a constante exposição dos valores que são, segundo os presentes, orientadores das ações do governo em voga. Em síntese, a conjugação de liberalismo econômico e conservadorismo nos costumes - plataforma eleitoral e alicerce das ações governamentais estão evidentes na posição de Bolsonaro e de seus ministros.

Para o presidente, a liberdade é mais importante que a própria vida e, para garanti-la, tem a intenção de armar a população, já que o povo armado não permitiria que o Brasil fosse tomado por uma ditadura. Na reunião, ganham pontos e elogios: Paulo Guedes, Weintraub e Damares, bem como Braga Neto que foi o articulador do Plano Pró-Brasil apresentado.

Há que se enfatizar a constante cobrança do presidente para que seus ministros defendam com maior intensidade as pautas de seu governo e não ficar, apenas, resguardando suas imagens. E, por falar em imagem, Moro esteve praticamente o tempo todo de braços cruzados - que indica estar pouco a vontade - e em sua intervenção pediu que fossem destacadas as ações de sua pasta no documento apresentado, especialmente o combate à criminalidade e à corrupção, até lembrando que foram temas caros durante a campanha eleitoral.

*PROFESSOR DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. DOUTOR EM SOCIOLOGIA PELA UNESP

Veja também:

Senadora Simone Tebet (MDB-MS) defende representatividade mínima de 30% de mulheres na direção dos partidos
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade